segunda-feira, 30 de junho de 2014

Aluno de Centro Universitário Adventista participa da maior feira científica do mundo

 

Fonte - http://noticias.adventistas.org/

 

Aluno de Centro Universitário Adventista participa da maior feira científica do mundo

Com apenas 16 anos, Eduardo Padilha exibe certificado de participação da Intel ISEF. Aluno já programa participar de outras feiras
Com apenas 16 anos, Eduardo Padilha exibe certificado de participação da Intel ISEF. Aluno já programa participar de outras feiras

São Paulo, SP…[ASN] 

Ele possui apenas 16 anos, mas já participou da International Science and Engineering Fair (Intel ISEF) – a maior feira científica pré-universitária do gênero no mundo. Eduardo Padilha Antônio, aluno do terceiro ano do Ensino Médio do Colégio do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus São Paulo é um jovem cientista que começou a carreira cedo.
Quando estava no nono ano do Ensino Fundamental, por ser aluno da Academia de Artes (ACARTE) do Unasp-SP, sabia que a instituição tinha laboratórios e decidiu perguntar para um monitor se poderia acompanhar e ver o que era realizado lá. Conversou com o professor Luciano Senti e pediu para fazer uma espécie de estágio no laboratório. Começou, então, a acompanhar as atividades com o professor Senti. “O professor Luciano me incentivou e um dia me levou à Unifesp [Universidade Federal de São Paulo], onde ele faz pesquisa. Isso ampliou meus horizontes. Depois dessa experiência, eu soube que gostava de pesquisa científica. A oportunidade que o professor Luciano me deu aqui mostrou que meu sonho de pesquisa não era algo tão distante”, afirma Padilha.
Ele ajudava o professor Senti e os monitores. Conheceu como se prepara a vivência do dia a dia de um laboratório e ainda assistiu a algumas aulas, como ouvinte, na faculdade de Biologia.
Experiência na USP
Mesmo fazendo pesquisa nos laboratórios do Unasp, Padilha resolveu enviar e-mails para a Universidade de São Paulo (USP) a fim de tentar um estágio em algum laboratório que tivesse uma linha de pesquisa que lhe interessasse. “Eu me apresentei como aluno do Unasp e falei sobre o interesse de conhecer outro laboratório. Foi grande a minha surpresa quando uma das pesquisadoras respondeu o e-mail e me encaminhou para um amigo dela que poderia ajudar com o meu propósito”, diz ele.
Após a resposta positiva do professor, Padilha foi conhecer o laboratório na USP. O aluno se propôs a voltar lá outras vezes. O professor combinou com ele a realização de um estágio nas férias de julho do mesmo ano, o que aconteceu em julho de 2010 e abril de 2011, acompanhado sempre por uma funcionária da USP.
Padilha prosseguiu ajudando nas atividades dos laboratórios do Unasp e participando de programas de iniciação científica para alunos do Ensino Médio na USP. O programa só aceitava alunos de escola pública. No entanto, ele estudava no Ensino Médio do Unasp campus São Paulo, uma escola particular.
Início da pesquisa
Em 2013, mesmo sem auxílio financeiro de uma bolsa da USP, conseguiu ingressar no programa.
Lá começou a desenvolver o projeto de pesquisa intitulado Efeitos da transformação de céluluas XP por genes E6 e E7 de HPV nas respostas à luz UV: letalidade sintética e as perspectivas para o tratamento do câncer no colo de útero. O projeto foi desenvolvido no Laboratório de Reparo de DNA da USP.

O objetivo do projeto é buscar novas formas de tratamento para o câncer de colo de útero.
Foram realizados testes em laboratório e a expectativa (estudo que está sendo desenvolvido agora) é levar células tumorais à morte e conseguir o resultado destas células nos organismos vivos a fim de que os portadores da doença obtenham melhora.

Caminho para a feira internacional
Ao fazer os experimentos, o aluno e os demais pesquisadores discutiram juntos os resultados e inscreveram o trabalho na Mostra Paulista de Ciências e Engenharia (MOP), em dezembro de 2013. O trabalho foi condecorado em primeiro lugar entre 273 projetos na área de ciências biológicas.
Nesta ocasião, além de ganhar um tablet pelo primeiro lugar, recebeu também uma bolsa de iniciação científica do CNPq. Com a conquista, o projeto foi enviado automaticamente para a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), a maior feira de ciências do Brasil. Entre os mais de 2 mil trabalhos inscritos na feira, 300 foram selecionados para a final, na qual o trabalho de Padilha ficou em primeiro lugar. Com isso, ele foi credenciado a participar da maior feira de ciências e engenharia do mundo, a Internacional Science and Engineering Fair (Intel ISEF).
Experiência única
Padilha foi um dos 17 estudantes brasileiros selecionados para participar da Intel ISEF que ocorreu de 11 a 16 de maio em Los Angeles, nos Estados Unidos. Lá, foram apresentados mais de 1,7 mil trabalhos de 70 países. Os jovens cientistas mostraram seus talentos e cientistas doutores revisaram e julgaram os trabalhos.
Padilha não foi premiado na Intel ISEF deste ano, mas viveu uma experiência única. “Foi incrível! Conheci pesquisadores de todo o mundo e fiz vários contatos importantes e, o melhor, vi trabalhos de estudantes como eu. Apresentei meu projeto em inglês para professores doutores de várias universidades americanas. Cresci muito com isso. A experiência abriu minha mente e me deu muitas novas ideias e motivação para continuar”, reafirma ele, que já se prepara para uma feira internacional que ocorre ainda este ano no Estado do Rio Grande do Sul.
Quando questionado sobre como se sente, ele diz que só tem a agradecer. “Quero fazer um agradecimento especial ao Laboratório de Reparo de DNA da USP, aos meus orientadores Veridiana Munford e Carlos Frederico Martins Menck e, claro, ao Unasp e ao professor Luciano Senti pela oportunidade e paciência que teve comigo no início do processo de iniciação científica. Esta oportunidade teve um papel fundamental e me ajudou muito para as conquistas”, conclui. [Equipe ASN, Rosemeire Braga]

Postagens de Destaque