sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

O Pequeno Tempo de Angústia



O Pequeno Tempo de Angústia

Um Tempo de Angústia Antes que Termine o Tempo da Graça

Na página 33 [de Primeiros Escritos] é dito o seguinte: "... Ao início do tempo de angústia fomos cheios do Espírito Santo ao sairmos para proclamar o sábado mais amplamente."
Esta visão foi dada em 1847, quando havia apenas poucos dentre os irmãos do advento observando o sábado, e desses somente uns poucos supunham que sua observância era de suficiente importância para constituir uma linha de separação entre o povo de Deus e os incrédulos. Agora o cumprimento desta visão está começando a ser visto. O "início do tempo de angústia" ali mencionado, não se refere ao tempo em que as pragas começarão a ser derramadas, mas a um breve período, pouco antes, enquanto Cristo está no santuário. Nesse tempo, enquanto a obra de salvação está se encerrando, tribulações virão sobre a Terra, e as nações ficarão iradas, embora contidas para não impedir a obra do terceiro anjo. Primeiros Escritos, págs. 85 e 86.


O Fim da Liberdade Religiosa nos Estados Unidos
A lei de Deus, pela intervenção de Satanás, irá ser invalidada. Em nossa terra [Estados Unidos] de alardeada liberdade, a liberdade religiosa terá o seu fim. A luta será decidida no que toca ao assunto do sábado, e agitará o mundo inteiro. Evangelismo, pág. 236.
Uma grande crise aguarda o povo de Deus. Muito em breve nossa nação procurará impor a todos a observância do primeiro dia da semana como dia sagrado. Ao fazer isto, eles não hesitarão em compelir os homens, contra a voz de sua própria consciência, a observarem o dia que a nação declara ser o sábado. Review and Herald Extra, 11 de dezembro de 1888.
Os adventistas do sétimo dia travarão a batalha pelo sábado do sétimo dia. As autoridades nos Estados Unidos e em outros países se levantarão em seu orgulho e poder, e farão leis para restringir a liberdade religiosa. Manuscrito 78, 1897.
Os protestantes dos Estados Unidos, serão os primeiros a estender as mãos através da voragem para apanhar a mão do espiritismo; estender-se-ão por sobre o abismo para dar mãos ao poder romano; e, sob a influência desta tríplice união, este país seguirá as pegadas de Roma, desprezando os direitos da consciência. O Grande Conflito, pág. 588.


A Igreja e o Estado se Opõem ao Povo de Deus
Todos quantos não se curvarem ao decreto dos concílios nacionais e obedecerem às leis nacionais para exaltar o sábado instituído pelo homem do pecado, para menosprezar o santo dia de Deus, sentirão, não somente o poder opressivo do papado, mas do mundo protestante, a imagem da besta. Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 380.
As organizações religiosas que recusam ouvir as mensagens de advertência da parte de Deus estarão sob forte engano, e se unirão com o poder civil para perseguir os santos. As igrejas protestantes se unirão com o poder papal para perseguir o povo de Deus que guarda os mandamentos. ...
Esse poder semelhante a um cordeiro se une com o dragão para pelejar contra os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo. Manuscript Releases, vol. 14, pág. 162.
A igreja apelará para o braço forte do poder civil, e nesta obra unir-se-ão romanistas e protestantes. O Grande Conflito, pág. 607.


Perante os Tribunais
Os que viverem durante os últimos dias da história terrestre saberão o que significa ser perseguidos por causa da verdade. Nos tribunais prevalecerá a injustiça. Os juízes recusarão ouvir as razões dos que são leais aos mandamentos de Deus porque sabem que os argumentos em favor do quarto mandamento são irrefutáveis. Eles dirão: "Temos uma lei e, de conformidade com a nossa lei, ele deve morrer." A lei de Deus não é nada para eles. "Nossa lei" lhes é suprema. Os que respeitam essa lei humana serão favorecidos, mas não serão concedidos favores aos que não se submeterem ao falso sábado. The Signs of the Times, 26 de maio de 1898.
Se formos levados aos tribunais, devemos abrir mão de nossos direitos, a menos que isso nos ponha em conflito com Deus. Não estamos pleiteando os nossos direitos, mas o direito de Deus ao nosso serviço. Manuscript Releases, vol. 5, pág. 69.


Ellen White
Eventos Finais - Pags. 143 - 146

Postagens de Destaque