segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Saudades do tempo em que ser crente era coisa séria

Manoel Barbosa da Silva



Sinto saudades

Sinto saudades do tempo em que evangélico era chamado de protestante, ou simplesmente de crente. “Você é crente?” Perguntavam.  Respondíamos com orgulho santo.  Graças a Deus!
Sinto saudades do tempo em que ser crente era coisa séria, pois envolvia renúncia, dedicação, desapego às coisas mundanas. Crente tinha que ter um estilo de vida diferenciado. Não podia participar de nada que maculasse o nome da igreja, por isto era respeitado.
“Cuidado! ele é crente, tenham respeito”. Diziam os incrédulos, em relação e defesa de algum crente.
Tenho saudades do tempo em que os crentes conheciam a doutrinas e normas de sua denominação e as defendia com todo ardor, no que resultava em homéricas polêmicas com os crentes de outras denominações. Porem todos tinham um objetivo, defender a pureza das doutrinas bíblicas
Tenho saudades do tempo em que não havia essa onda “politicamente correto” que não te deixa falar a verdade, pois quem fala a verdade logo é criticado e rotulado de conservador, de fundamentalista, ou fanático, e é criticado, pois os adeptos da filosofia “politicamente correto” dizem: “toda igreja é certa e todos têm que ser respeitados. A verdade dele pode até ser diferente da sua, mas se é assim que ele acredita é a verdade dele, tem que ser respeitada”
Esse argumento põe na vala comum a verdade e o erro, a Bíblia deixa de conter a verdade da palavra de Deus, para ser apenas um livro figurativo, onde o que importa não é o que nela está escrito, mais o que os homens pensam a acham ser a verdade. 
Tenho saudades do tempo em que a Bíblia era respeitada como a pura e insofismável palavra de Deus
Sinto saudades do tempo em que os crentes sonhavam em ir para o céu, e tinham medo de pecar. Hoje os crentes desejam um céu aqui na terra, a maioria procura as igrejas não é em busca de perdão, de salvação, mas em busca de riquezas, de prosperidade, de saúde para o corpo, e não para a alma
Tenho saudades do tempo em que os templos eram lugares de adoração, e as músicas cantadas ali, enlevavam a alma. Hoje o que se cantam nas reuniões de adoração, são músicas mundanas, usando o nome de Deus, tipo samba, rock, sertanejas e até funk, uma verdadeira afronta ao nome de Deus
Tenho saudades do novo céu e da nova terra que Jesus foi preparar e prometeu voltar para nos levar a morar ali


E você também sente saudades? 

Postagens de Destaque