domingo, 1 de fevereiro de 2015

O dom da paz



O dom da paz, 29 de Janeiro

E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. Filipenses 4:7. 

O pecado destruiu nossa paz. Enquanto o próprio eu não for subjugado, não encontraremos repouso. Nenhum poder humano pode controlar as dominadoras paixões do coração. Achamo-nos aqui tão desajudados como se sentiram os discípulos para dominar a furiosa tempestade. Mas Aquele que acalmou as ondas do mar da Galiléia, dirige a palavra de paz a todo ser humano. Por feroz que seja a tempestade, os que se volverem a Jesus com o brado: “Senhor, salva-nos!” (Mateus 8:25) encontrarão livramento. Sua graça, que reconcilia o pecador com Deus, acalma o embate das paixões humanas, e em Seu amor o coração repousa. ... “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo.” Romanos 5:1. “O efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança, para sempre.” Isaías 32:17. Todo aquele que consente em renunciar ao pecado e abrir o coração ao amor de Cristo, torna-se participante dessa paz celestial. Não há outra base para a paz do que essa. A graça de Cristo, recebida no coração, subjuga a inimizade; afasta a luta e enche a vida de amor. Aquele que está em paz com Deus e com seus semelhantes, não se pode tornar infeliz. A inveja não habitará em seu coração; ruins suspeitas ali não encontrarão lugar; não existirá ódio. O coração que está em harmonia com Deus é participante da paz do Céu, e difundirá sua bendita influência por todos os que o rodeiam. O espírito da paz reagirá como orvalho sobre os corações cansados e perturbados por lutas mundanas. Os seguidores de Cristo são enviados ao mundo com a mensagem de paz. Todo aquele que, pela calma e inconsciente influência de uma vida santa, revelar o amor de Cristo; todo aquele que, por palavra e  pelo exemplo, levar alguém a renunciar ao pecado e render o coração a Deus, esse é pacificador. E “bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus”. Mateus 5:9. O espírito de paz é evidência de sua comunhão com o Céu. Rodeia-os o suave perfume de Cristo. [32] A fragrância da vida, a amabilidade do caráter, revelam ao mundo serem eles filhos de Deus. Os homens tomam conhecimento de que eles estiveram com Jesus. — The Review and Herald, 15 de Outubro de 1908.

Ellen White
Nos Lugares Celestiais - MM 1967 Pag. 72

Postagens de Destaque