quinta-feira, 12 de março de 2015

Curando emoções danificadas (Parte 2) - Vitória sobre a culpa

Curando emoções danificadas (Parte 2) - Vitória sobre a culpaTema: Cura interior

Texto: João 8:1-11

Introdução: Todo mundo experimenta sentimentos de culpa, mas, às vezes, eles podem nem mesmo identificar uma razão específica para se sentir digno de culpa.

Uma vaga sensação de condenação rouba-lhes a alegria, segurança e confiança, mas não é assim que Deus projetou a culpa operar.

A história de Jesus e a mulher adúltera é um exemplo de verdadeira culpa (João 8:1-11). Ela estava em pé diante dos escribas e fariseus, sem desculpa. Todo mundo sabia que ela tinha quebrado a Lei de Moisés e da morte merecida, mas quando Jesus desafiou aqueles sem pecado atire a primeira pedra, todos os seus acusadores se afastaram. Ele disse a ela: "Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais" (v. 11). Jesus não está interessado em condenar-nos, mas remover nossa culpa e purificar nossas vidas.

I. O que é a culpa?


A. A culpa pode ser definida de duas maneiras:
1. Um estado de ter feito algo errado ou ter cometido um delito.
2. Um sentimento doloroso de autocondenação por ter feito algo que reconhecemos como sendo um pecado.


B. A culpa pode ser boa, ruim, verdadeira ou falsa.
1. A culpa boa é recebida quando desobedecemos a Deus. É Sua "luz vermelha" nos dizendo para parar de fazer algo que é desagradável a ele.
2. A culpa ruim é o resultado do pensamento errado, não a ação errada. Por exemplo, algumas igrejas ensinam que ir ao cinema é pecado, mas se um filme é saudável, não há necessidade de se sentir culpado.
3. A verdadeira culpa é um sentimento doloroso recebido como um resultado de fazer algo errado. Exemplos incluem a desobediência de Adão e Eva no jardim, o desejo de Davi por Bate-Seba, e a negação de Pedro.
4. A culpa falsa é uma sensação dolorosa que uma pessoa sente quando ele / ela não cometeu um erro. Por exemplo, uma criança que é abusada pode sentir-se culpada, mesmo tendo sido forçada.


II. As consequências da culpa.


Toda culpa - se é boa, ruim, verdadeira ou falsa - pode levar as pessoas a...

A. Medo de rejeição por Deus. Algumas pessoas sentem que Deus nunca poderia amá-los pelo que eles fizeram.


B. Sentir que o juízo de Deus pode ser iminente. Muitas pessoas vivem com medo de que seus entes queridos ou o emprego poderiam ser tirados deles como punição.


C. Sentir forte ansiedade. A culpa e a preocupação trabalham juntas para fazer as pessoas infelizes.


D. Sentir conduzido na vida. Algumas pessoas trabalham incansavelmente em sua própria força para tentar superar ou compensar o que faz com que se sintam culpados.


E. Ter uma mente dividida. A culpa sempre dificulta a capacidade de uma pessoa se concentrar.


F. Experimenta a diminuição da energia. A culpa é a drenagem que deixa as pessoas se sentindo esgotadas antes mesmo de começar o dia.


G. Sentir uma sensação de autopunição. Pessoas que acreditam que merecem disciplina muitas vezes perdem a oferta de misericórdia e graça de Deus.


H. Sentir uma sensação de insegurança. Aqueles que se sentem separados do Senhor não podem experimentar o Seu amor, proteção e provisão.


I. Experimenta uma vida de oração prejudicada. Satanás é rápido para fazer as pessoas acreditar em sua mentira de que sua culpa significa que Deus não vai ouvir ou responder às suas orações.


J. Experimenta depressão. A culpa produz desespero que paira sobre as pessoas como uma nuvem negra.


K. Sentir vergonha. Não é certo sentir vergonha por culpa falsa ou ruim, só a desobediência a Deus deve fazer as pessoas se sentirem dessa forma.


L. Sentir-se incapaz de ter boas relações com os outros. Encobrir os pecados e fracassos do passado impede as pessoas de ser amorosas e abertas para com os outros.


M. Perde a vontade de Deus. Sem comunhão íntima com o Pai, é impossível seguir a Sua direção.


N. Sofrer de doença física. A culpa sustentada eventualmente afeta as pessoas fisicamente.


III. A libertação da culpa.


Ela começa quando compreendemos a morte vicária de Cristo na cruz. Através do nosso relacionamento com Ele, nós temos o direito e o privilégio e a autoridade de Deus para confessar, arrepender-se e ser purificado do pecado. Jesus já pagou o preço por nós. Cabe a nós...

A. Enfrentar os sentimentos de culpa honestamente.

B. Identificar a causa dos sentimentos de culpa.

C. Confessar e arrepender-se, se for necessário.
D. Escolha aceitar o perdão completo de Deus, baseada na cruz, e não os nossos sentimentos.


E. Reconhecer que receber o perdão não significa que não haverá repercussões. Poderemos ter que lidar com as consequências de nossas ações.
F. Tornar os nossos erros em bênçãos para os outros e dizer-lhes o que Ele tem feito por nós.

Conclusão: Como crentes, nós não temos que viver com a culpa. Então, se é falsa ou verdadeira, temos de lidar com ela, a fim de obter a felicidade, a alegria e a paz que o Pai tem para nós e ser mais capaz de cumprir Seus propósitos para nossas vidas. 

Ele está pronto para nos libertar de tudo e qualquer coisa que impede nosso relacionamento com ele.

Postagens de Destaque