quinta-feira, 18 de junho de 2015

Educação da língua,


 Resultado de imagem para imagens do poder da lingua

Educação da língua, 17 de Junho

 Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que  for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem. Efésios 4:29. 


O apóstolo, vendo a tendência que havia, de abusar do dom da fala, dá instruções quanto ao seu uso. “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe”, diz ele, “mas só a que for boa para promover a edificação.” Palavra “torpe” aqui quer dizer qualquer palavra que dê impressão deprimente aos princípios santos e à religião pura, qualquer comunicação que ofusque a doutrina de Cristo, e apague da mente a verdadeira simpatia e amor. Inclui sugestões impuras, que, a menos que se lhes resista instantaneamente, levam a grave pecado. Sobre cada um se impõe o dever de impedir o caminho às comunicações corruptas. 
É propósito de Deus que apareça em Seus filhos a glória de Cristo. Em todos os Seus ensinamentos, Cristo apresentou princípios puros, inadulterados. Ele não pecou, nem em Seus lábios se achou engano. Constantemente deles fluíam verdades santas, enobrecedoras. Falava como nunca homem algum falou, com uma ênfase que comovia o coração. ... A palavra nunca esmorecia em Seus lábios. Com destemor expunha a hipocrisia de sacerdotes e príncipes, fariseus e saduceus. ... A grande responsabilidade que envolve o dom da fala é plenamente revelada na Palavra de Deus. “Por tuas palavras serás justificado e por tuas palavras serás condenado” (Mateus 12:37), declarou Cristo. E o salmista pergunta: “Senhor, quem habitará no Teu tabernáculo? quem morará no Teu santo monte? Aquele que anda em sinceridade, e pratica a justiça, e fala verazmente segundo o seu coração; aquele que não difama com a sua língua, nem faz mal ao seu próximo, nem aceita nenhuma afronta contra o seu próximo.” Salmos 15:1-3. — The Review and Herald, 12 de Maio de 1910. 
 Cultivai uma atitude mental devota, e educai a língua de modo que fale palavras retas, que abençoem em vez de desanimar. ... Falai da bondade, da misericórdia e do amor de Deus. Removei todas as palavras de incredulidade, e tudo que é barato e comum. Sejam sadias as palavras, que não possam ser condenadas, e a paz de Deus por certo virá ao coração. — Manuscrito 151, 1898

Ellen White
Nos Lugares Celestiais Pag. 362

Postagens de Destaque