domingo, 21 de fevereiro de 2016

Serviço Cristão -- Capítulo 24 — Requisitos para o serviço cristão eficiente -- Parte 2



Zelo
O que se necessita é de fervoroso zelo cristão — algo que se manifeste através de atos. [...] Tampouco poderia uma alma que possua a Cristo ser impedida de confessá-Lo, da mesma forma que as águas do Niágara não podem ser impedidas de precipitar-se da catarata. — Testemunhos Seletos 1:236. 
Todo o que aceita a Cristo como seu Salvador pessoal ansiará pelo privilégio de servir a Deus. Contemplando o que o Céu fez por ele, seu coração enche-se de amor sem limites e de rendida gratidão. Está ansioso por manifestar seu reconhecimento, consagrando suas faculdades ao serviço de Deus. Suspira por mostrar amor a Cristo e aos Seus remidos. Ambiciona trabalhos, dificuldades, sacrifícios. — A Ciência do Bom Viver, 502.
 Existe vasto campo para as Martas, com seu zelo no culto ativo. Sentem-se elas primeiro, porém, com Maria aos pés de Jesus. Sejam a diligência, prontidão e energia santificadas pela graça de Cristo; então a vida será uma invencível força para o bem. — O Desejado de Todas as Nações, 525. 
Em nome do Senhor, com a incansável perseverança e o constante zelo que Cristo punha em Seus trabalhos, cumpre-nos levar avante a obra do Senhor. — Testemunhos Seletos 3:293. 
Precisamos quebrar a monotonia de nossa atividade religiosa. Estamos fazendo um trabalho no mundo, mas não demonstramos suficiente atividade e zelo. Se fôssemos mais zelosos, convencerse-iam os homens da verdade da nossa mensagem. A timidez e monotonia do serviço que a Deus prestamos repele muitas pessoas da classe mais elevada, que quer ver zelo mais profundo, sincero e santificado. — Testemunhos Seletos 3:50. Paciência — 
Para ser cooperador de Jesus, necessitais de toda a paciência com aqueles por quem trabalhais, não desdenhando a simplicidade da obra, mas olhando aos benditos resultados. Quando aqueles em benefício de quem trabalhais não correspondem exatamente à vossa expectativa, dizeis muitas vezes no coração: “Deixe-os ir; não são dignos da salvação.” Que seria se Cristo houvesse assim tratado os pobres desamparados? Ele morreu para salvar os miserá- veis pecadores, e se trabalhais com o mesmo espírito e pela mesma  maneira indicada no exemplo dAquele a quem seguis, deixando com Deus os resultados, não podereis absolutamente avaliar nesta vida a soma de benefícios que realizastes. — Testimonies for the Church 4:132. 
Trabalhai desinteressada, afetuosa e pacientemente por todos com quem fordes postos em contato. Não manifesteis impaciência. Não profirais uma palavra indelicada. Que o amor de Cristo habite em vosso coração, a lei da bondade em vossos lábios. — Testimonies for the Church 9:41. 

Resultado de imagem para Imagens de serviço missionário  voluntário adventista

Tato 
Aqueles que se entregam inteiramente a Deus, hão de pôr pensamentos, orações e um tato sincero e consagrado em seus labores. — The Signs of the Times, 29 de Maio de 1893.
Se um homem possui tato, atividade e entusiasmo, terá êxito nos negócios temporais, e as mesmas qualidades, quando consagradas à obra de Deus, demonstrar-se-ão duplamente eficazes; pois o poder divino se aliará ao esforço humano. — Testimonies for the Church 5:276. 
Grande tato e sabedoria são necessários no trabalho de ganhar almas. O Salvador nunca suprimiu a verdade, mas disse-a sempre com amor. Em Suas relações com outros, exercia o máximo tato, e era sempre bondoso e cheio de cuidado. Nunca foi rude, nunca proferiu desnecessariamente uma palavra severa, não ocasionou jamais uma dor desnecessária a uma alma sensível. Não censurava  a fraqueza humana. Denunciava destemidamente a hipocrisia, a incredulidade, e a iniqüidade, mas havia lágrimas em Sua voz ao proferir Suas esmagadoras repreensões. Nunca tornava a verdade cruel, porém manifestava profunda ternura pela humanidade. Toda alma era preciosa aos Seus olhos. Conduzia-Se com divina dignidade; inclinava-Se, todavia, com a mais terna compaixão e respeito para todo membro da família de Deus. Via em todos, almas a quem tinha a missão de salvar. — Obreiros Evangélicos, 117. Algumas pessoas precipitadas, impulsivas, se bem que sinceras, depois de ouvirem incisivas pregações, abordarão os que não pertencem à nossa fé de maneira demasiado abrupta, tornando assim a verdade que desejamos vê-los aceitar, repulsiva aos olhos deles. “Os filhos deste mundo são mais prudentes na sua geração do que os filhos da luz”. Lucas 16:8. Os homens de negócios e os políticos estudam cortesia. É seu método tornarem-se o mais atraentes possível. Estudam a fim de tornarem seus discursos e maneiras tais que lhes proporcionem a máxima influência sobre o espírito dos que os rodeiam. Para alcançar esse objetivo, empregam o mais habilmente possível seus conhecimentos e aptidões. — Testemunhos Seletos 1:454
Esta mensagem tem de ser dada, mas conquanto tenha de ser dada, devemos ter cuidado em não acusar, constranger e condenar os que não possuem a luz que nós possuímos. Não devemos sair de nosso caminho para fazer duras acusações aos católicos. Entre eles existem muitos que são cristãos conscienciosos, que vivem segundo a luz que lhes é proporcionada, e Deus operará em seu favor. — Obreiros Evangélicos, 329. 

Resultado de imagem para Imagens de serviço missionário  voluntário adventista

Constância 
O verdadeiro cristão trabalha para Deus, não por impulso, mas por princípio; não por um dia ou um mês, mas por toda a vida. — Conselhos aos Professores, Pais e Estudantes, 517, 518
O Salvador era um obreiro incansável. Não media o trabalho por horas. Tempo, coração, energia, tudo Ele deu ao serviço em benefício da humanidade. Dias inteiros eram votados ao trabalho, e noites inteiras passadas em oração, a fim de ser fortalecido para enfrentar o astuto inimigo em todas as suas enganadoras operações, e para realizar Sua obra de reerguimento e restauração da humanidade. O homem que ama a Deus não mede o trabalho pelo sistema das oito horas. Trabalha a todas as horas, e nunca se acha fora de seu posto de dever. Sempre que se lhe ofereça oportunidade, faz o bem. Em toda parte, em todo tempo e lugar, encontra ensejo de trabalhar para Deus. Aonde quer que vá, leva consigo uma espécie de fragrância. — Testimonies for the Church 9:45. 
Aquele que por uma ação descuidada expõe a causa de Deus ao vexame, ou enfraquece as mãos de seus coobreiros, põe sobre o próprio caráter uma mancha que não se tira facilmente, e coloca um sério obstáculo no caminho de sua futura utilidade. — Profetas e Reis, 659. 
“Tomai sobre vós o Meu jugo”, diz Jesus. Mateus 11:29. O jugo é um instrumento de serviço. O gado é posto ao jugo para trabalhar, e o jugo é essencial ao seu trabalho eficiente. Por essa ilustração, Cristo nos ensina que somos chamados ao serviço enquanto a vida durar. Temos de tomar sobre nós o Seu jugo, a fim de sermos coobreiros Seus. — O Desejado de Todas as Nações, 329. 

Simpatia e sociabilidade
Em todos os departamentos da causa de Deus, são necessários homens e mulheres que tenham simpatia pelas dores da humanidade; tal simpatia, no entanto, é rara. — The Review and Herald, 6 de Maio de 1890. 
Necessitamos mais da simpatia natural de Cristo; não somente simpatia pelos que se nos apresentam irrepreensíveis, mas pelas pobres almas sofredoras, em luta, que são muitas vezes achadas em falta, pecando e se arrependendo, sendo tentadas e vencidas pelo desânimo. Devemos dirigir-nos a nossos semelhantes tocados — como nosso misericordioso Sumo Sacerdote — pelo sentimento de suas enfermidades. — Obreiros Evangélicos, 141. 
Perdemos muito, como povo, por falta de simpatia e sociabilidade uns com os outros. O que fala de independência e se fecha em si mesmo, não está preenchendo o lugar que lhe foi designado por Deus. Somos filhos de Deus, dependendo mutuamente uns dos outros quanto à felicidade. Impendem sobre nós os reclamos de Deus e da humanidade. Cumpre-nos a todos desempenhar nossa parte nesta vida. É o devido cultivo dos elementos sociais de nossa natureza, que nos põe em simpatia com nossos irmãos, e nos proporciona felicidade em nossos esforços por beneficiar os outros. — Testemunhos Seletos 1:458. 
O Salvador era convidado no banquete de um fariseu. Aceitava convites tanto de ricos como de pobres, e consoante Seu costume, vinculava com Suas lições da verdade a cena que tinha diante de Si. — Parábolas de Jesus, 219

Postagens de Destaque