sexta-feira, 17 de junho de 2016

Igrejas se unem para promover “avivamento final”

Desde criança, que eu ouço falar de ecumenismo, união das igrejas, falsos reavivamentos, união do catolicismo com o protestantismo e desse com o espiritismo. Dizia-se que esse, ou esses, movimentos, culminaria com perseguição religiosa aos que deles discordassem
Lá na roça, onde morávamos, os irmãos simples, de pouca escolaridade, mais muitos dedicados à leitura da Bíblia e dos escritos de Ellen White, afirmavam categoricamente. "Haverá no futuro a união das igrejas, todas as igrejas protestantes se submeterão à supremacia do Papa, e lhes obedecerão cegamente, e quem se recusar, será perseguido e até mortos". Eu ouvia e ficava com medo. Porem, me consolava com o pensamento que essas coisas não iriam acontecer no meu tempo; seria para um futuro distante.
Hoje vejo o ecumenismo caminhando a passos largos. O que nossos pregadores lá da roça pregavam está se cumprindo ao pé da letra, as igrejas estão se unindo, e os evangélicos, estão se convertendo ao catolicismo.
Errado esta eu, em achar que essas coisas não aconteceriam no meu tempo. 
O ecumenismo esta aí, e a perseguição virá no rastro do mesmo. Quem viver verá

Veja a matéria abaixo, do Jornalista e escritor, Michelson Borges


Igrejas se unem para promover “avivamento final” 


Contrafação que antecede o fim
O movimento mundial conhecido como “nova reforma apostólica” é liderado por Peter Wagner. Há muitos anos, ele e pregadores como Cindy Jacobs (que já esteve no Brasil) vêm anunciando que a igreja necessitaria de uma mudança na sua maneira de agir como uma preparação para a segunda vinda de Jesus. Um desses “sinais” seria uma restauração do ministério apostólico. A revista Charisma, maior publicação pentecostal do mundo, deu destaque nesta semana para uma série de profecias que os membros desse movimento estão divulgando desde o início do ano. São dez palavras proféticas vindas de líderes de diferentes países, mas todas com a mesma mensagem básica. Catherine Brown e Marshall Cross (Escócia), Alice Cresswell (Inglaterra) e sete outros líderes norte-americanos (incluindo Wagner e Jacobs) reuniram suas revelações em um documento.

“O Senhor confirma que a igreja como um todo viverá um novo tempo e, consequentemente, precisa edificar sobre o fundamento apostólico e profético apresentado em Efésios 2:20”, diz o material compilado pelo pastor Thomas Harry. Eles afirmam que essa é a direção do Espírito Santo que deve ser comunicada à igreja global.

“Certamente, trata-se de uma das palavras mais importantes para a igreja em muitos anos”, afirma Harry, que lidera a Igreja do Evangelho Pleno de Falkirk, na Escócia. Através do relato de uma série de sonhos, visões e revelações, os dez profetas citados por ele estabelecem que no ano que vem ocorrerão sinais inegáveis disso. [Sim, e no ano que vem, também, será realizado um megaencontro de várias igrejas nos EUA, com a participação do papa Francisco.]

“A maioria de nós percebe que há um grande mover de Deus chegando e o Senhor quer garantir que estamos com as nossas bases prontas para isso... Acredito que será a maior mudança na Igreja desde a Reforma”, escreveu Thomas.

Segundo a Charisma, existem mais de 40 “promessas proféticas” que foram reveladas desde novembro de 2014 e que apontam para mesma coisa. Seria o avivamento final, que se espalharia por toda a Terra.

O Brasil possui ministérios ligados a esse movimento mundial. Por aqui, foi formado o Conselho Apostólico Brasileiro, mas não há nada no site oficial da entidade sobre o assunto.

O pastor Augustus Nicodemus Lopes escreveu sobre o crescimento desse movimento apostólico, que no Brasil já reúne centenas de apóstolos. Segundo ele, “os adeptos desse movimento acreditam que ele seja um complemento necessário, ainda que tardio, à Reforma do século 16, a qual teria deixado inacabado o restabelecimento, na igreja, dos dons espirituais mencionados na Bíblia”.

Mas sua conclusão é que seus ensinamentos são “estranhos ao cristianismo histórico” e carecem de embasamento bíblico, estando frequentemente baseados apenas em experiências pessoais.


Nota: Concordo com o pastor Nicodemus e vou além: a verdadeira Reforma sempre foi fundamentada na Palavra de Deus, no estudo profundo e racional dela, não em experiências de transe místico como as verificadas em igrejas pentecostais (se quiser estudar o que a Bíblia diz sobre o tal “dom de línguas”, clique aqui). Não é estranho que pessoas que dizem ter contato direto com Deus por meio do Espírito Santo não tenham sido avisadas pelo mesmo Espírito Santo que inspirou as Escrituras que o sábado é o dia do Senhor; que certos alimentos e bebidas devem ser evitados, pois poluem o templo do Espírito Santo e embotam o discernimento; que o ser humano não tem uma alma fantasmagórica e imortal dentro dele; etc.? Reconheço que há nessas igrejas muitas pessoas sinceras que amam a Deus de todo o coração. Mas a verdadeira reforma e o verdadeiro reavivamento só poderão ocorrer se forem calcados na Palavra de Deus. Os realmente sinceros compreenderão isso e tomarão sua decisão.

A verdade é que esse “reavivamento” emotivo é um dos eventos que antecedem a volta de Jesus, sendo uma contrafação do verdadeiro reavivamento. Note o que escreveu Ellen White há mais de cem anos: “Antes de os juízos finais de Deus caírem sobre a Terra, haverá, entre o povo do Senhor tal avivamento da primitiva piedade como não fora testemunhado desde os tempos apostólicos. O Espírito e o poder de Deus serão derramados sobre Seus filhos. Naquele tempo muitos se separarão das igrejas em que o amor deste mundo suplantou o amor a Deus e à Sua Palavra. Muitos, tanto pastores como leigos, aceitarão alegremente as grandes verdades que Deus providenciou fossem proclamadas no tempo presente, a fim de preparar um povo para a segunda vinda do Senhor. O inimigo das almas deseja estorvar esta obra; e antes que chegue o tempo para tal movimento, esforçar-se-á para impedi-la, introduzindo uma contrafação. Nas igrejas que puder colocar sob seu poder sedutor, fará parecer que a bênção especial de Deus foi derramada; manifestar-se-á o que será considerado como grande interesse religioso. Multidões exultarão de que Deus esteja operando maravilhosamente por elas, quando a obra é de outro espírito. Sob o disfarce religioso, Satanás procurará estender sua influência sobre o mundo cristão” (O Grande conflito, p. 464).

E escreveu também: “Em muitos dos reavivamentos ocorridos durante o último meio século, têm estado a operar, em maior ou menor grau, as mesmas influências que se manifestarão em movimentos mais extensos no futuro. Há um reavivamento apenas emotivo, mistura do verdadeiro com o falso, muito apropriado para desviar. Contudo, ninguém necessita ser enganado. À luz da Palavra de Deus não é difícil determinar a natureza desses movimentos. Onde quer que os homens negligenciem o testemunho da Escritura Sagrada, desviando-se das verdades claras que servem para provar a alma e que exigem a renúncia de si mesmo e a do mundo, podemos estar certos de que ali não é outorgada a bênção de Deus. E, pela regra que o próprio Cristo deu – ‘por seus frutos os conhecereis’ (Mt 7:16) – é evidente que esses movimentos não são obra do Espírito de Deus (Reavivamento e Seus Resultados, p. 10). [MB]

Postagens de Destaque