sexta-feira, 19 de outubro de 2018

O CALDEIRÃO E A VARA


 Resultado de imagem para imagens do caldeirão fervendo

A Vara de amendoeira e o caldeirão fervendo 


Jeremias 1:11-13

Esta passagem chama a atenção de qualquer leitor da Bíblia.
Tanto pelo contexto histórico como pelo atual.
Também pelo convite ao arrependimento e Reavivamento espiritual.

Quem era Jeremias?
Filho de Hilquias sacerdote o pai de Anatote na terra de Benjamim.
Muito jovem recebeu o chamado para ser profeta e por mais de 30 anos o desempenhou com firmeza e coragem.

Por haver denunciado os pecados do povo e os juízos de Deus contra nação, recebeu em troca o ódio e vingança do seu próprio povo.

Foi tão perseguido que chegou a lastimar-se, porém permaneceu fiel a sua missão.
“Era sozinho, mal compreendido, malignamente acusado, perseguido, privado do conforto do lar e da família; muitas vezes foi preso, ficou muitos dias em um poço de lama quase a morrer à míngua, só em Deus buscava consolo, pois nele confiava muito”.

Jeremias ficou na história como um dos profetas maiores.
No início do seu ministério, Jeremias recebeu uma visão onde via uma vara e uma panela.
Ao ser indagado por Deus, sobre o que estava vendo; respondeu:
“vejo uma vara de amendoeira e um caldeirão fervendo”.
Deus lhe explicou que a vara, significava o seu cuidado para com o povo. E a panela, o castigo que viria sobre aquela gente.

A figura do caldeirão fervendo era perfeita porque descrevia a situação reinante em Israel naqueles dias.

Havia no país:
·       Idolatria;
·       Feitiçaria;
·       Descrença em Deus;
·       Indiferença para com as pessoas e para com as coisas sagradas;
·       Ambição;
·       Fraude;
·       Corrupção;
·       Roubo;
·       Violência crescente...

O país estava parecendo um caldeirão fervente.
O criador já estava esgotando sua paciência com o povo, centenas de vezes enviou profetas para repreender, e convertê-los, porém foi inútil, só restava agora enviar os castigos.
E Jeremias era o portador destes juízos, por isso que lhe foi mostrado a verdadeira situação do país; um caldeirão fervendo

O profeta não viu apenas a situação do seu país, também viu as nações vizinhas estavam iguais ou piores que Israel.


O Mundo Atual

Se fossemos indagados sobre a situação do mundo em que vivemos, qual seria a nossa resposta?,
 Como analisaríamos esse planeta que estamos vivendo?

Ellen White afirma que os últimos acontecimentos serão rápidos
Há 30 anos falava-se da ruptura do comunismo, queda do muro de Berlim, desaparecimento da união soviética etc.

Outros temas também ficaram no passado: Afeganistão, guerra biológica, guerra química, Bin Laden,
Mercado comum, moeda comum; globalização, nova era; etc. Quem ainda se lembra disto?

Hoje estes assuntos são esquecidos.
Os temas são outros, as preocupações são outras, as angustias, são outras.

Discute-se hoje, aborto, ideologia de gênero, casamento homossexual, união das igrejas, e algum mecanismo, para que ninguém possa comprar ou vender senão aquele que não tiver o nome ou o número da Besta gravado de uma maneira sofisticada em algum lugar do corpo.

Vivemos em um caldeirão fervendo.

Apesar desses acontecimentos vemos ainda as mesmas aflições sociais que Jeremias viu em Israel nos seus dias, vemos também; indiferença religiosa, ateísmo, vícios, drogas, violência, assalto, sequestro, etc.

As autoridades encarregadas da segurança se vendem com facilidade ao mundo químico. São acontecimentos que parecem os do fim.

Os líderes do passado sabiam ver as condições atmosféricas, mas não conheciam os tempos proféticos.
Embalados por falsos profetas aguardavam tempos de paz progresso e segurança.

O mesmo acontece hoje apesar do caldeirão fervendo que se transformou este mundo, muitos ainda acreditam em uma nova era de paz, prosperidade e segurança.

O profeta foi considerado pessimista e alarmista e por isto foi preso; por que o rei o considerava uma ameaça à nação e achava que as mensagens daquele servo de Deus trariam desanimo aos soldados e ao povo em geral.
Embalado por falsas profecias acreditavam vencer os soldados da babilônia.

O Rei foi vencido e derrotado pelos filisteus e viu seus filhos serem assassinados e teve os olhos furados, olhos, que se negaram ver a realidade. Preso, foi levado cativo para Babilônia.


Semelhante a Jeremias o povo adventista tem sido chamado de alarmista e de pessimista.

Enquanto muitos acreditam em um mundo melhor, nós pegamos o fim.
As profecias que se cumprem ao redor do mundo nos dão certeza.
Ecumenismo, os três espíritos imundos de Apocalipse 16, a união da besta da terra, com a besta do mar; são profecias cumpridas há muito tempo.
Estas profecias clamam por um Reavivamento e uma Reforma entre o povo de Deus.
Precisamos orar com mais fervor precisamos conhecer melhor os tempos que vivemos.

Cristo sabia ver os tempos
.
·       Seus irmãos queriam que ele fosse a Jerusalém, não foi, não era tempo.
·       Sua mãe queria protege-lo, e ele não aceitou, não era tempo;
·       No calvário, mesmo sem querer, aceitou, já era tempo.


E nós, como agimos?

Na hora de orar, buscamos prazeres ou compromissos e não oramos.
Quando é tempo de nos desfazer das coisas, buscamos adquiri-las com mais afinco.
Quando é hora de nos prepararmos para o céu, sonhamos com uma era de prazer aqui na terra.
Quando Deus espera ver seus filhos orando e derramando suor e sangue; nós fugimos do nosso Getsemani.

Enquanto cristo dizia ao pai, faça-se a tua vontade; nós dizemos:
-Pai faz a minha vontade,
 Eu quero uma casa nova, um carro novo, um novo emprego...
-Senhor ajuda para que meus planos deem certo, que eu te darei uma boa oferta de gratidão...

Enquanto Cristo se fez sacrifício por nós, nós não queremos fazer nenhum sacrifício por ele.
Cristo chama nossa atenção para o fim, e nós fingimos que o fim está bem distante.
Cristo nos manda pregar o evangelho a toda criatura e nós não pregarmos nem para nossos vizinhos.

Na visão do profeta duas coisas foram vistas:
Uma vara de amendoeira
E uma panela fervendo.

·       A panela simbolizava a convulsão social daqueles dias;
·       E a vara, o cuidado de Deus para aquele povo. Mesmo errados como eram,  Deus os amava e preocupava-se com eles.



Estes dois símbolos ainda falam hoje.

O mundo é um caldeirão a ponto de explodir, logo Cristo virá para destruir o mal e buscar seu povo.

A vara de amendoeira lembra que Deus vela sobre sua palavra para cumprir; e promete a que todos que o buscarem com confiança, que receberam o galardão.

É possível que no desempenho do dever soframos como Jeremias, pois condenar um erro nunca foi tarefa fácil, tentar fazer as coisas certas suscita oposição e ódio.

Ser justo em meio à injustiça é ser tido por fanático ou imbecil, mas é preferível assim a cair no desagrado de Deus.
As profecias estão se cumprindo.
O mundo é essa panela de pressão a ponto de explodir.

A nossa segurança e alegria se firmam em cristo que vela por nós.
As mesmas profecias nos dão certeza de que temos um Deus que nos ama e logo virá nos buscar.
Em meio à convulsão social de nossos dias, olhemos com alegria para nossa certeza: Cristo logo voltará.

Sejamos fiéis ao dever mesmo que soframos, mesmo que sejamos mal interpretados.
Deus vela pela sua palavra ele prometeu.

Todo aquele que vem a mim de modo nenhum lançarei fora.


Postagens de Destaque