Seguidores

quinta-feira, 31 de março de 2022

A Obra do Senhor Deve ser Mantida

 Ellen White

II. A Obra de Deus e seu Sustento

A Obra do Senhor Deve Ser Mantida

Passam para a eternidade os últimos anos de graça. O grande dia do Senhor está-nos iminente. Toda energia que possuímos deve ser agora usada para despertar os que estão mortos em ofensas e pecados. ...

É tempo de darmos ouvidos aos ensinos da Palavra de Deus. Todas as suas exigências são dadas para o nosso bem. Ele conclama os que estão sob a bandeira ensangüentada do Príncipe Emanuel a fim de que dêem evidências de que reconhecem sua dependência de Deus e deverem a Ele dar contas, devolvendo-Lhes certa parte daquilo que Ele lhes confiou. Deve esse dinheiro ser usado no avanço da obra que deve ser feita para cumprir a comissão dada por Cristo a Seus discípulos. ...

O povo de Deus é chamado para uma obra que requer dinheiro e consagração. As obrigações que sobre nós repousam trazem-nos a responsabilidade de trabalhar para Deus até o máximo de nossa capacidade. Exige Ele serviço não dividido, a inteira devoção do coração, alma, espírito e forças.

Há apenas dois lugares no Universo onde poderemos colocar nossos tesouros - no celeiro de Deus ou no de Satanás; e tudo o que não é dedicado ao serviço de Deus é contado do lado de Satanás, e vai fortalecer sua causa. Determinou o Senhor que os meios a nós confiados sejam usados na edificação de Seu reino. Seus dons são confiados aos Seus mordomos para que com eles negociem cuidadosamente, e Lhe devolvam os rendimentos na salvação de almas. Tais almas, por seu turno, se tornarão mordomos de confiança, cooperando com Cristo para promover os interesses da causa de Deus. 

Recebendo Para Partilhar

Onde quer que haja vida na igreja, há aumento e crescimento. Há, também, constante intercâmbio, tomar e dar, receber e devolver ao Senhor o que Lhe pertence. A cada crente genuíno comunica Deus luz e bênção, e estas reparte ele com os outros, na obra que faz para o Senhor. Ao dar do que recebe, aumenta sua capacidade de receber. É aberto o caminho para a obtenção de novos suprimentos de graça e de verdade. Tem mais clara luz e multiplicado conhecimento. Desse dar e receber depende a vida e o crescimento da igreja. Aquele que recebe mas nunca dá, logo deixa de receber. Se quisermos receber novas bênçãos, devemos comunicar os bens do Céu.

Não Se propõe o Senhor a vir a este mundo e derramar ouro e prata para o avanço de Sua obra. Supre os homens com recursos, para que pelas suas dádivas e ofertas conservem Sua obra em avanço. O propósito, acima de todos os outros, para o qual devem os dons de Deus ser usados, é a manutenção dos obreiros no campo da seara. E se os homens se tornarem condutos pelos quais possam as bênçãos dos Céus fluir para os outros, o Senhor conservará suprido tal canal. Não é devolver ao Senhor o que é Seu que torna o homem pobre; reter é que leva à pobreza. ...

Um Tempo Para Economia e Sacrifício

Apela Deus a Seu povo para que desperte quanto às suas responsabilidades. Um dilúvio de luz é irradiado de Sua Palavra, e devem ser atendidos os deveres negligenciados. Quando eles forem atendidos, ao dar ao Senhor o que Lhe pertence, nos dízimos e ofertas, abrir-se-á o caminho para o mundo ouvir a mensagem que o Senhor determina que ouça. 

Tivesse nosso povo o amor de Deus no coração, estivesse cada membro da igreja imbuído do espírito de sacrifício próprio, e não haveria falta de fundos para as missões nacionais e estrangeiras; nossos recursos se multiplicariam; abrir-se-iam mil portas de utilidade e nós seríamos convidados a entrar. Houvesse sido executado o propósito de Deus quanto a dar a mensagem de misericórdia ao mundo, Cristo já teria vindo e os santos teriam recebido suas boas-vindas à cidade de Deus.

Se já houve um tempo em que se deveriam fazer sacrifícios, esse tempo é agora. Meus irmãos e irmãs, praticai a economia em vossos lares. Lançai fora os ídolos que tendes colocado adiante de Deus. Abandonai vossos prazeres egoístas. Eu vos rogo, não gasteis os meios em embelezar as vossas casas; pois vosso dinheiro pertence a Deus, e a Ele deveis prestar contas do uso que lhe dais. Não useis o dinheiro do Senhor para satisfazer os caprichos de vossos filhos. Ensinai-lhes que Deus tem reivindicação sobre tudo o que possuem, e que coisa alguma pode jamais cancelar esse direito.

O dinheiro é tesouro necessário. Não o dissipeis com os que dele não necessitam. Alguém necessita de vossas dádivas voluntárias. Há os que, no mundo, estão famintos, morrendo de inanição. Podeis dizer: "Não posso alimentar a todos." Mas, praticando as lições de economia de Cristo, podereis alimentar a um. "Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca." João 6:12. Estas palavras foram pronunciadas por Aquele cujo poder operou um milagre para suprir as necessidades de uma multidão faminta.

Caso tenhais hábitos extravagantes, afastai-os imediatamente de vossa vida. A não ser que o façais, estareis falidos para a eternidade. Hábitos de economia, operosidade e sobriedade, são melhor quinhão para os vossos filhos que um rico dote. 

Somos peregrinos e estrangeiros na Terra. Não despendamos os nossos meios em satisfazer desejos que Deus quer que reprimamos. Representemos devidamente nossa fé reprimindo os nossos desejos. Levantem-se os membros de nossas igrejas como um só homem, e trabalhem fervorosamente, como quem anda à plena luz da verdade para estes últimos dias. ...

De que vale indizível riqueza, se esta é acumulada em custosas mansões ou em ações bancárias? Que pesa isso na balança, comparado com a salvação das almas por quem Cristo, o Filho do infinito Deus, morreu? Review and Herald, 24 de dezembro de 1903.

Um Privilégio e uma Responsabilidade

Foram-nos dadas, para proclamar ao mundo, as mais solenes verdades já confiadas aos mortais. Nosso trabalho é a proclamação dessas verdades. Deve o mundo ser advertido, e o povo de Deus precisa ser fiel ao depósito que lhe foi confiado. Não se deve empenhar em especulações, nem deve entrar em empreendimentos comerciais com os descrentes; pois isso os impediria de fazer a obra que lhes foi confiada.

Jesus diz a Seu povo: "Vós sois a luz do mundo." Mat. 5:14. Não é questão de pequena importância que os conselhos, propósitos e planos de Deus nos tenham sido tão claramente revelados. É um maravilhoso privilégio poder compreender a vontade de Deus, segundo é revelada na segura palavra da profecia. Isso nos impõe pesada responsabilidade. Deus espera que transmitamos aos outros os conhecimentos que nos tem dado. É Seu propósito que os instrumentos divinos e humanos se unam na proclamação da mensagem de advertência. Review and Herald, 28 de julho de 1904.

Sustento das Missões Estrangeiras

Devem as simpatias do povo de Deus serem despertadas em cada igreja de toda a nossa terra, devendo haver ação desinteressada no sentido de atender às necessidades de diferentes campos missionários. Devem os homens demonstrar seu interesse na causa de Deus pelo dar dos seus bens. Se se manifestasse tal interesse entre os membros da família de Cristo, existiriam e cresceriam em força os laços de fraternidade cristã.

Essa obra de trazer fielmente todos os dízimos, para que haja mantimento na casa de Deus, supriria os que labutam tanto nos campos nacionais como nos estrangeiros. Se bem que livros e publicações sobre a verdade presente estejam espalhando os seus tesouros de conhecimento a todas as partes do mundo, assim mesmo ainda devem ser estabelecidos postos missionários em vários pontos. O pregador vivo deve proclamar as palavras de vida e de salvação. Há campos missionários abertos que convidam os obreiros a entrar. A seara está madura, e de todas as partes do mundo se ouve o veemente clamor macedônico por obreiros. Review and Herald, 19 de fevereiro de 1889.

A Obra não Deve Parar

Se de fato temos a verdade para estes últimos dias, deve ela ser levada a toda a nação, e tribo, e língua, e povo. Brevemente, tanto os vivos como os mortos serão julgados segundo o que tiverem feito no corpo, e a lei de Deus é a norma pela qual eles serão provados. Devem portanto, agora, ser advertidos; a santa lei de Deus deve ser vindicada, erguida diante deles como um espelho. Para que tal obra se realize, há necessidade de meios. Sei que os tempos são difíceis, que não há abundância de dinheiro; mas a verdade deve ser difundida, e o dinheiro para difundi-la deve ser colocado na tesouraria. ...

Abandonaremos a Obra?

Nossa mensagem é de âmbito mundial; contudo, literalmente, muitos nada estão fazendo, muitos mais, tão pouco, com tamanha falta de fé, que isso é pouco mais que nada. Abandonaremos nós os campos que já abrimos em países estrangeiros? Desistiremos de parte do trabalho em nossas missões nacionais? Empalideceremos ante um débito de apenas uns poucos milhares de dólares? Hesitaremos, agora, e ficaremos esquivos justamente nas últimas cenas da história terrestre? Meu coração diz: Não, não. Não posso considerar essa questão sem ardente zelo no sentido de fazer a obra avançar. Não deveríamos negar nossa fé, não deveríamos negar a Cristo; fá-lo-emos, no entanto, a menos que avancemos segundo a providência divina for abrindo o caminho.

Não deve a obra parar por falta de recursos. Mais meios nela devem ser investidos. Irmãos, em nome do meu Mestre, eu vos ordeno: despertai! Vós que estais colocando os vossos talentos de meios num lenço e os estais ocultando na terra, que estais construindo casas e acrescentando terreno a terreno, Deus vos roga: "Vendei o que tendes, e dai esmolas." Luc. 12:33. Tempo virá em que os observadores do sábado nem poderão comprar nem vender. Apressai-vos a desenterrar os vossos talentos. Se Deus vos confiou dinheiro, demonstrai-vos fiéis à confiança em vós depositada; desembrulhai vosso lenço e enviai vossos talentos aos banqueiros, para que, quando Cristo vier, possa receber o que é Seu, com os juros.

Liberalidade na Finalização da Obra

Bem no fim, antes que esta obra termine, milhares de dólares serão alegremente depositados sobre o altar. Homens e mulheres sentirão ser um bendito privilégio participar da obra de preparar almas para subsistirem no grande dia de Deus, e darão centenas de dólares com a mesma liberalidade com que agora são doadas quantias menores.

Estivesse o amor de Cristo ardendo no coração dos que professam ser Seu povo, e veríamos hoje, a manifestação do mesmo espírito. Se tão-somente reconhecessem quão perto está o fim de todo o trabalho em prol da salvação de almas, sacrificariam suas posses com a mesma prontidão com que o fizeram os membros da igreja primitiva. Trabalhariam para o avanço da causa de Deus com o mesmo fervor com que os mundanos trabalham para adquirir riquezas. Exercer-se-iam tato e habilidade, bem como se faria trabalho ativo e altruísta para adquirir meios, não para acumular, mas para verter no tesouro do Senhor.

Que tal, se alguém ficar pobre por empregar seus meios na obra? Cristo, por amor de vós Se fez pobre; mas vós estais segurando para vós mesmos riquezas eternas, um tesouro no Céu que não falha. Vossos bens estão muito mais seguros do que se tivessem sido depositados no banco, ou investidos em casas e terrenos. Estão guardados em sacos que não envelhecem. Nenhum ladrão, deles se pode aproximar, fogo algum os pode consumir. ...

Obedecendo à ordem do Salvador, nosso exemplo pregará mais alto que palavras. Vê-se a maior demonstração do poder da verdade quando os que nela professam crer dão evidência de sua fé pelas suas obras. Os que crêem nesta solene verdade devem possuir tal espírito de sacrifício que repila a ambição mundana dos adoradores do dinheiro. Historical Sketches of the Foreign Missions of the Seventh-day Adventists, págs. 291-293.


Conselhos Sobre Mordomia,  Pags. 35 - 41

terça-feira, 29 de março de 2022

Pregando Sermões Práticos

Ellen White


Dar para atender às necessidades dos santos e para o avanço do reino de Deus, é pregar sermões práticos, que testificam que os que dão não receberam a graça de Deus em vão. Um exemplo vivo de um caráter generoso, que está de acordo com o exemplo de Cristo, exerce grande poder sobre os homens. Os que não vivem para o eu, não usarão cada dólar para atender às suas supostas necessidades, e suprir seus confortos materiais, mas terão em mente que são seguidores de Cristo, e que há outros em necessidade de alimento e vestuário.

Os que vivem para satisfazer o apetite e os desejos egoístas, perderão o favor de Deus, e perderão a recompensa celeste. Testificam diante do mundo não terem fé genuína, e quando pretenderem comunicar aos outros o conhecimento da verdade presente, o mundo considerar-lhes-á as palavras como o metal que soa e como o sino que tine. Demonstre cada qual sua fé pelas suas obras. "A fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma." Tia. 2:17. "Portanto, mostrai para com eles, perante a face das igrejas, a prova da vossa caridade e da nossa glória acerca de vós." II Cor. 8:24. Review and Herald, 21 de agosto de 1894.

O Sermão Mais Difícil

O sermão mais difícil de pregar e que mais custa pôr em prática é o da abnegação. O pecador cobiçoso, por si mesmo, fecha a porta ao bem que se poderia fazer, mas que não é feito porque o dinheiro é despendido para fins egoístas. Mas é impossível alguém reter o favor de Deus e desfrutar a comunhão com o Salvador, e ao mesmo tempo ser indiferente para com os interesses de seus semelhantes que não têm vida em Cristo, que estão perecendo em seus pecados. Cristo nos deixou maravilhoso exemplo de abnegação. ...

Ao segui-Lo no caminho da abnegação, levantando a cruz e conduzindo-a, atrás dEle para a casa de Seu Pai, revelaremos em nossa vida a beleza da vida de Cristo. No altar do sacrifício próprio - o lugar designado para o encontro entre Deus e a alma - recebemos das mãos de Deus a tocha celestial que perscruta o coração, revelando a necessidade da habitação de Cristo. Review and Herald, 31 de janeiro de 1907.

Expande o Coração, Une com Cristo

As ofertas do pobre, dadas com abnegação para ajudar a difundir a preciosa luz da verdade salvadora não somente serão um cheiro suave a Deus e a Ele inteiramente aceitável como dádiva consagrada, como também o próprio ato de dar expande o coração do doador e o une cada vez mais ao Redentor do mundo. Ele era rico, mas por amor de nós Se fez pobre, para que pela Sua pobreza enriquecêssemos. As menores quantias dadas alegremente pelos que estão em condições limitadas são plenamente aceitáveis a Deus, e até de maior valor, à Sua vista, do que as ofertas dos ricos que podem dar seus milhares, sem, contudo, exercerem abnegação ou sentirem falta. Review and Herald, 31 de outubro de 1878.

Dar com Alegria

Ao ser exercido, o espírito de liberalidade cristã fortalecer-se-á e não necessitará ser estimulado de maneira doentia. Todos os que possuem esse espírito, o espírito de Cristo, com jovial alegria farão com que suas dádivas corram para a tesouraria do Senhor. Inspirados pelo amor a Cristo e pelo amor às almas por quem Ele morreu, sentem intenso fervor em desempenhar sua parte com fidelidade. Review and Herald, 16 de maio de 1893.

segunda-feira, 28 de março de 2022

Onde Cristo Habita Há Beneficência

 Ellen White

 

Sempre que o perfeito amor de Deus está no coração, coisas maravilhosas serão feitas. Cristo estará no coração do crente como uma fonte de água que salta para a vida eterna. Mas os que manifestam indiferença para com os sofredores da humanidade, serão acusados de indiferença para com Jesus, na pessoa dos santos que sofrem. Nada solapa mais depressa a espiritualidade da alma do que encerrá-la no egoísmo e no cuidado de si mesma.

Os que condescendem com o eu e negligenciam cuidar da alma e do corpo daqueles por quem Cristo deu a Sua vida, não estão comendo do pão da vida nem bebendo da água da fonte da salvação. Estão estéreis e destituídos de seiva, como a árvore que não dá fruto. São anões espirituais, que consomem seus meios consigo mesmos; mas "tudo o que o homem semear, isso também ceifará". Gál. 6:7.

Os princípios cristãos sempre se tornarão visíveis. De mil maneiras se manifestarão os princípios do interior. A habitação de Cristo na alma é como uma fonte que nunca seca. Review and Herald, 15 de janeiro de 1895.

Quando Cristo é Entronizado no Coração

Quando Deus confia ao homem riquezas, é para que este possa adornar a doutrina de Cristo, nosso Salvador, usando seus tesouros terrestres no avanço do reino de Deus no mundo. Deve ele representar a Cristo, e, portanto, não viver para agradar e glorificar a si mesmo, para receber honra porque é rico.

Sempre que o coração é purificado do pecado, Cristo é colocado no trono uma vez ocupado pela condescendência própria e pelo amor aos tesouros terrenos. Vê-se a imagem de Cristo na expressão do rosto.

 

A obra de santificação é levada avante na alma. É banido o egoísmo. Vê-se o aparecimento do novo homem, que, segundo Cristo, é criado em justiça e verdadeira santidade. Review and Herald, 11 de setembro de 1900.

Vencidas a Cobiça e a Avareza

Deve o rico consagrar tudo a Deus, e aquele que é santificado pela verdade no corpo, na alma e no espírito, também dedicará a Deus sua propriedade, e se tornará o instrumento pelo qual outras almas serão alcançadas. Em sua experiência e exemplo, demonstrar-se-á que a graça de Cristo tem poder para vencer a cobiça e a avareza, e o rico que devolve a Deus os bens que lhe foram confiados, será considerado mordomo fiel, e poderá apresentar aos outros o fato de que em cada dólar dos bens que acumulou estão estampadas a imagem e a inscrição de Deus. Review and Herald, 19 de setembro de 1893.


Conselhos Sobre Mordomia Pag.. 27. 28


sábado, 26 de março de 2022

Em Conflito os Princípios de Cristo e os de Satanás

 Ellen White


Os seres humanos pertencem a uma grande família - a família de Deus. Determinou o Criador que respeitassem e amassem uns aos outros, manifestando sempre puro e abnegado interesse no bem-estar mútuo. Mas tem sido o alvo de Satanás levar os homens a pôr o eu em primeiro lugar; e, entregando-se eles ao seu controle, têm desenvolvido um egoísmo que enche o mundo de miséria e luta, pondo os seres humanos em desavença uns com os outros.

O egoísmo é a essência da depravação, e, devido a se terem os seres humanos submetido ao seu poder, o que se vê no mundo é o oposto à fidelidade a Deus. Nações, famílias, e indivíduos estão cheios do desejo de fazer do eu um centro. O homem almeja governar sobre os seus semelhantes. Afastando-se de Deus e de seus semelhantes em seu egoísmo, segue suas irrefreadas inclinações. Age como se o bem dos outros dependesse de se submeterem a sua supremacia.

O egoísmo tem causado discórdia na igreja, enchendo-a de ambição não santificada. ... O egoísmo destrói a semelhança com Cristo, enchendo o homem de amor-próprio. Leva a contínuo afastamento da justiça. Cristo diz: "Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nos Céus." Mat. 5:48. Mas o amor-próprio é cego para com a perfeição que Deus requer. ...

Cristo veio ao mundo para revelar o amor de Deus. Devem Seus seguidores continuar a obra que Ele começou. Esforcemo-nos por ajudar e fortalecer uns aos outros. A maneira em que se pode alcançar a verdadeira felicidade é buscar o bem alheio. Não trabalha o homem contra os seus próprios interesses, quando ama a Deus e aos seus semelhantes.

Quanto mais destituído de egoísmo for o seu espírito, tanto mais feliz será, porque está cumprindo o propósito de Deus para Ele. O fôlego divino é soprado através dele, tornando-o pleno de alegria. Para ele, a vida é um sagrado depósito, preciosa aos seus olhos porque foi dada por Deus para ser gasta no serviço em favor dos outros. Review and Herald, 25 de junho de 1908.

Uma Luta Desigual

É o egoísmo o mais forte e mais generalizado dos impulsos humanos; a luta da alma entre a simpatia e a cobiça é uma luta desigual; pois, ao passo que o egoísmo é a paixão mais forte, o amor e a beneficência são freqüentemente os mais fracos, e, em regra, o mal ganha a vitória. Portanto, em nosso trabalho e nas nossas dádivas à causa de Deus, não é seguro ser dominado pelos sentimentos ou pelo impulso.

Dar ou trabalhar quando são despertadas as nossas simpatias, e reter nossas dádivas ou serviço quando as emoções não são estimuladas, é rumo inseguro e perigoso. Se somos controlados pelo impulso ou mera simpatia humana, então, nos poucos casos em que nossos esforços em prol dos outros são pagos com a ingratidão, ou em que as nossas dádivas são mal-usadas ou dissipadas, bastará congelar as fontes da beneficência. Devem os cristãos agir guiados por princípios fixos, seguindo o exemplo de abnegação e de sacrifício-próprio do Salvador. Review and Herald, 7 de dezembro de 1886.

A Nota Tônica dos Ensinos de Cristo

A abnegação é a nota tônica dos ensinos de Cristo. Freqüentemente é ela ordenada aos crentes em linguagem que parece autoritária, por não haver outro meio de salvar o homem senão separá-lo de sua vida de egoísmo. Cristo deu, em Sua vida na Terra, verdadeira apresentação do poder do evangelho. ... A toda alma que com Ele sofra resistindo ao pecado, trabalhando em Sua causa, na abnegação para bem dos outros, promete uma parte na recompensa eterna dos justos. Pelo exercício do espírito que caracterizou as atividades de Sua vida, devemos tornar-nos participantes de Sua natureza. Participando, nesta vida de sacrifício por amor aos outros, com Ele partilharemos, na vida por vir, de "um peso eterno de glória mui excelente". II Cor. 4:17. Review and Herald, 28 de setembro de 1911.

Os Frutos do Egoísmo

Os que permitem que o espírito de cobiça tome posse de si, acariciam e desenvolvem os traços de caráter que lhes colocarão o nome como idólatras no livro de registro do Céu. Todos esses são classificados com os ladrões, insultadores e extorsionários, nenhum dos quais, declara a Palavra divina, herdará o reino de Deus. "O ímpio se vangloria do desejo do seu coração, e abençoa o cobiçoso, a quem o Senhor aborrece." Os atributos do avarento opõem-se sempre ao exercício da beneficência cristã. Os frutos do egoísmo sempre se revelam na negligência do dever, e na falta de uso dos dons que Deus confiou para o avanço de Sua obra. Review and Herald, 1º de dezembro de 1896.

A Morte de Toda Piedade

Cristo é o nosso exemplo. Deu Sua vida como um sacrifício por nós, e nos pede que demos nossa vida em sacrifício por outros. Assim poderemos nós afastar o egoísmo que Satanás está constantemente se esforçando por nos implantar no coração. Esse egoísmo é a morte de toda piedade, e só pode ser vencido ao manifestar amor a Deus e aos nossos semelhantes. Cristo não permitirá que uma pessoa egoísta entre nas cortes celestes. Nenhum cobiçoso poderá passar pelos portais de pérola; pois toda cobiça é idolatria. Review and Herald, 11 de junho de 1899.


Conselhos Sobre Mordomia Pags.  24 - 26

quinta-feira, 24 de março de 2022

Por que Deus Emprega os Homens Como Seus Esmoleres

Ellen White 

 

Deus não depende do homem para o avanço de Sua causa. Poderia ter feito dos anjos embaixadores de Sua verdade. Poderia ter tornado Sua vontade conhecida, assim como do Sinai proclamou a lei com a Sua própria voz. Porém, para cultivar em nós o espírito de beneficência, escolheu empregar os homens para fazerem esse trabalho.

Cada ato de abnegação para o bem dos outros fortalecerá o espírito de beneficência no coração do doador, levando-o cada vez mais perto do Redentor do mundo, que "sendo rico, por amor de vós Se fez pobre, para que, pela Sua pobreza, enriquecêsseis". II Cor. 8:9. E é, somente, quando cumprimos o propósito divino em nossa criação que a vida pode ser uma bênção para nós. Todas as boas dádivas divinas ao homem demonstrar-se-ão apenas uma maldição, a menos que as empreguem para abençoar os seus semelhantes, e para o avanço da causa de Deus na Terra. Review and Herald, 7 de dezembro de 1886.

O Fruto de Buscar o Ganho

É esse crescente empenho em ganhar dinheiro, o egoísmo que o desejo de ganhar produz, que mata a espiritualidade da igreja e dela remove o favor de Deus. Sempre que a cabeça e as mãos estão constantemente ocupadas em planejar e trabalhar arduamente para o acúmulo de riquezas, os reclamos de Deus e da humanidade são esquecidos.

Se Deus nos tem abençoado com prosperidade, não é para que nosso tempo e atenção sejam desviados dEle e dedicados àquilo que Ele nos emprestou. O doador é maior do que a dádiva. Fomos comprados por preço, não somos de nós mesmos. Temo-nos esquecido desse infinito preço pago pela nossa redenção? Morreu a gratidão em nosso coração? Não faz a cruz de Cristo com que se envergonhe uma vida de comodidade e condescendência egoístas? ... Estamos colhendo os frutos dessa infinita abnegação, e ainda, quando há trabalho a fazer, quando há necessidade de nosso dinheiro para ajudar a obra do Redentor na salvação de almas, eximimo-nos ao dever e rogamos para ser escusados. Ignóbil indolência, descuidada indiferença e ímpio egoísmo fecham os nossos sentidos aos reclamos divinos.

Oh, deve Cristo, a Majestade do Céu, o Rei da Glória, levar a pesada cruz, e usar a coroa de espinhos e beber o amargo copo enquanto nós nos reclinamos ociosamente, glorificando-nos a nós mesmos, e nos esquecemos das almas por quem Cristo morreu, para remir pelo Seu precioso sangue? Não; demos enquanto podemos. Demos enquanto temos força. Trabalhemos enquanto é dia. Dediquemos nosso tempo e nossos meios ao serviço de Deus, para que possamos ter a Sua aprovação e receber Sua recompensa. Review and Herald, 17 de outubro de 1882.

Nosso Maior Conflito com o Eu

Nossas posses, nesta vida, são limitadas, mas o grande tesouro que Deus oferece em Sua dádiva ao mundo é ilimitado. Compreende cada desejo humano e vai muito além de nossos cálculos humanos. No grande dia da decisão final, em que todo homem será julgado segundo o que tiver feito, toda voz de justificação própria será silenciada, pois se verá que em Seu legado à raça humana deu o Pai tudo quanto tinha para dar, e que os que recusaram aceitar a graciosa oferta estão sem escusas.

Não temos exteriormente inimigos que precisemos temer. Nosso grande conflito é contra o eu não consagrado. Quando vencemos o eu, somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou. Meus irmãos, há para nós uma vida eterna a ganhar. Combatamos o grande combate da fé. Nossa prova não está no futuro, mas é agora. Enquanto ela se prolonga, "buscai primeiro o reino de Deus, e a Sua justiça, e todas essas coisas" - as coisas que agora servem ao propósito de Satanás como ciladas, para enganar e destruir - "vos serão acrescentadas". Mat. 6:33. Review and Herald, 5 de março de 1908.

Uma Mancha Imunda

Jamais nos devemos esquecer de que somos colocados sob prova, no mundo, a fim de determinar nossa habilitação para a vida futura. Nenhum daqueles cujo caráter estiver maculado com a nódoa imunda do egoísmo, poderá entrar no Céu. Portanto, Deus nos prova aqui, concedendo-nos posses temporais, para que o uso que disso fizermos possa revelar se nos poderão ser confiadas as riquezas eternas. Review and Herald, 16 de maio de 1893.

Nossas Posses Dadas Apenas em Confiança

Grandes ou pequenas que sejam as posses de qualquer indivíduo, lembre-se ele de que isto é seu apenas em confiança. Por sua força, habilidade, tempo, talentos, oportunidades e recursos, tem que prestar contas a Deus. É esse um trabalho individual; Deus nos dá, para que nos possamos tornar como Ele: generosos, nobres, caridosos, ao dar uns aos outros. Aqueles que, esquecidos, de sua missão divina, só procuram economizar ou gastar na condescendência do orgulho ou do egoísmo, poderão alcançar os ganhos e prazeres do mundo; mas, à vista de Deus, avaliados pelas suas realizações espirituais, são desgraçados, miseráveis, pobres, cegos e nus.

Sempre que seja devidamente empregada, torna-se a riqueza um vínculo áureo de gratidão e afeto entre o homem e os seus semelhantes, e um forte laço a ligar suas afeições ao seu Redentor. O dom infinito do dileto Filho de Deus exige dos recebedores de Sua graça tangíveis expressões de gratidão.

 

O que recebe a luz do amor de Cristo, está, portanto, sob a mais imperiosa obrigação de difundir a bendita luz sobre outras almas que estejam em trevas. Review and Herald, 16 de maio de 1882.

Para Despertar os Atributos do Caráter de Cristo

O Senhor permite que a homens e mulheres sobrevenham o sofrimento, a calamidade, para nos tirar do nosso egoísmo, para em nós despertar os atributos de Seu caráter: compaixão, ternura e amor.

Faz o amor divino os seus mais tocantes apelos quando nos roga que manifestemos a mesma terna compaixão que Cristo manifestou. Era Ele um homem de dores e experimentado nos trabalhos. Em todas as nossas aflições é Ele afligido. Ama os homens e mulheres como sendo comprados pelo Seu próprio sangue, e nos diz: "Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como Eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis." João 13:34. Review and Herald, 13 de setembro de 1906.

A Mais Elevada Honra, a Maior Alegria

Deus é a fonte da vida, luz e alegria do Universo. Como raios de luz do Sol, dEle fluem bênçãos a todas as criaturas que Ele criou. Em Seu infinito amor, tem concedido aos homens o privilégio de se tornarem participantes da natureza divina, e, por seu turno, difundirem bênçãos aos seus semelhantes. É essa a mais elevada honra, a maior alegria que Deus pode conceder ao homem. Os que assim se tornam participantes de trabalhos de amor, são levados para mais perto do Criador. Os que recusam tornar-se "cooperadores de Deus" (I Cor. 3:9) - o homem que por causa da condescendência egoísta ignora as necessidades de seus semelhantes, o avarento que aqui amontoa os seus tesouros - estão afastando de si mesmos as mais ricas bênçãos que Deus lhes pode dar. Review and Herald, 6 de dezembro de 1887.


Conselhos Sobre Mordomia Pags 20 - 23

quarta-feira, 23 de março de 2022

Nosso Generoso Benfeitor

 Ellen White

            Nosso Generoso Benfeitor

CM - Pag. 17 

Manifesta-se o poder de Deus no bater do coração, na ação dos pulmões, e nas correntes vivas que circulam pelos mil diferentes condutos do corpo. Somos-Lhe devedores por todo momento de existência, e por todos os confortos da vida. As faculdades e habilitações que elevam o homem acima da criação inferior, são dotes do Criador.

Ele nos cumula de benefícios Seus. Somos-Lhe devedores do alimento que comemos, da água que bebemos, da roupa que vestimos, do ar que respiramos. Sem a Sua especial providência, o ar estaria cheio de pestilência e de veneno. Ele é generoso benfeitor e preservador.

O Sol que brilha sobre a Terra, e embeleza toda a Natureza, a encantadora e solene luminosidade da Lua, os esplendores do firmamento, salpicado de brilhantes estrelas, as chuvas que refrescam a terra, e fazem florescer a vegetação, as preciosas coisas da Natureza em toda a sua variada riqueza, as árvores altaneiras, os arbustos e as plantas, o grão tremulante, o céu azul, a terra verde, a mudança do dia e da noite, a renovação das estações, tudo fala ao homem do amor de seu Criador.

Tem-nos Ele ligado a Si mesmo por todos esses laços do Céu e da Terra. Cuida de nós com mais ternura do que cuida uma mãe de um filho em aflição. "Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor Se compadece daqueles que O temem." Sal. 103:13. Review and Herald, 18 de setembro de 1888.


Recipientes Contínuos Para Dar Continuamente

Assim como continuamente estamos recebendo as bênçãos de Deus, assim devemos nós estar continuamente dando. Quando o Benfeitor celeste deixar de nos dar, então poderemos ser desculpados; pois então nada teremos para dar. Deus nunca nos deixou sem nenhuma evidência de Seu amor, pelo fato de nos ter feito o bem. ...

Cada momento somos mantidos pelo cuidado de Deus e sustentados pelo Seu poder. Ele enche nossa mesa de alimento. Dá-nos sono pacífico e refrigerador. Semanalmente traz-nos o sábado, a fim de que possamos descansar de nossos trabalhos temporais e adorá-Lo em Sua própria casa. Deu-nos Sua Palavra, para que fosse uma lâmpada para os nossos pés e uma luz para o nosso caminho. Nas suas sagradas páginas, encontramos sábios conselhos; e sempre que a Ele elevamos nosso coração em contrição e fé, concede-nos as bênçãos de Sua graça. Acima de tudo, está o dom infinito do querido Filho de Deus, através do qual fluem todas as outras bênçãos para esta vida e para a vida vindoura.

Certamente que a bondade e a misericórdia nos seguirão a cada passo. Tão-somente quando desejarmos que o Pai infinito deixe de nos conceder as Suas bênçãos sobre nós, devemos nós impacientemente exclamar: Não há fim para o dar? Não devemos, apenas, devolver fielmente a Deus os nossos dízimos, que Ele reclama como Seus, mas também devemos trazer à Sua tesouraria um tributo como oferta de gratidão. Com coração alegre levemos ao nosso Criador as primícias de toda a Sua liberalidade - as nossas mais acariciadas posses, nosso melhor e mais santo serviço. Review and Herald, 9 de fevereiro de 1886.


A Única Maneira de Manifestar Gratidão

O Senhor não precisa de nossas ofertas. Não O podemos enriquecer com as nossas dádivas. Diz o salmista: "Tudo vem de Ti, e da Tua mão To damos." I Crôn. 29:14. No entanto Deus nos permite demonstrar nossa apreciação de Suas misericórdias pelos esforços abnegados para passá-las a outros. É essa a única maneira em que nos é possível manifestar nossa gratidão e amor a Deus. E não proveu outro. Review and Herald, 6 de dezembro de 1887.


O Argumento de Paulo Contra o Egoísmo

Paulo procurou desarraigar do coração de seus irmãos a planta do egoísmo; pois o caráter não pode ser completo em Cristo quando o amor-próprio e a cobiça são conservados. O amor de Cristo no coração levá-los-ia a ajudar seus irmãos em suas necessidades. Mostrando-lhes o sacrifício que Cristo fizera em seu favor, procurou ele despertar-lhes o amor.

"Não digo isto como quem manda", disse ele, "mas para provar, pela diligência dos outros, a sinceridade da vossa caridade; porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, por amor de vós Se fez pobre, para que, pela Sua pobreza, enriquecêsseis." II Cor. 8:8 e 9.

Eis o poderoso argumento do apóstolo. Não é mandamento de Paulo, mas do Senhor Jesus Cristo. ...

Quão grande foi a dádiva de Deus ao homem, e como Lhe aprouve fazê-la! Com liberalidade que jamais poderá ser excedida, Ele deu, para salvar os rebeldes filhos dos homens e fazer-lhes ver o Seu propósito e discernir o Seu amor. Demonstrareis, pelas vossas dádivas e ofertas, que não considerais coisa alguma boa demais para dar Àquele que "deu o Seu Filho unigênito"? João 3:16. Review and Herald, 15 de maio de 1900.

O espírito de liberalidade é o espírito do Céu. O espírito egoísta é o espírito de Satanás. Review and Herald, 17 de outubro de 1882.


Conselho Sobre Mordomia Pags. 17 - 19

Coobreiros de Deus

Ellen White              

                         Coobreiros de Deus

 

I. A Lei Celestial da Beneficência e seu Propósito


Coobreiros de Deus

"Honra ao Senhor com a tua fazenda e com as primícias de toda a tua renda; e se encherão os teus celeiros abundantemente, e transbordarão de mosto os teus lagares." Prov. 3:9 e 10.

"Alguns há que espalham, e ainda se lhes acrescenta mais; e outros, que retêm mais do que é justo, mas é para a sua perda. A alma generosa engordará, e o que regar também será regado." Prov. 11:24 e 25.

"O nobre projeta coisas nobres e, pela nobreza, está em pé." Isa. 32:8.

A sabedoria divina designou, no plano da salvação, a lei de ação e reação, tornando a obra da beneficência, em todas as suas modalidades, duplamente abençoada. Aquele que dá aos pobres abençoa outros, e é abençoado, em escala maior ainda.

A Magnificência do Evangelho

Para que o homem não perdesse os benditos resultados da caridade, nosso Redentor formou o plano de alistá-lo como coobreiro Seu. Deus poderia ter atingido o Seu objetivo de salvar pecadores, sem o auxílio do homem; mas sabia que o homem não poderia ser feliz sem desempenhar uma parte na grande obra. Por uma cadeia de circunstâncias que haveriam de despertar no homem os sentimentos de caridade, concede-lhe Ele os melhores meios de cultivar a beneficência, e o conserva dando habitualmente para ajudar os pobres e para avançar Sua causa. Por suas necessidades, um mundo arruinado está derivando de nós talentos de meios e influência, para apresentar a homens e mulheres a verdade, por cuja falta estão a perecer. E ao atendermos a esses chamados, pelo trabalho e por atos de caridade, tornamo-nos semelhantes à imagem dAquele que por nossa causa Se fez pobre. Dando, abençoamos outros, e assim acumulamos verdadeiras riquezas.

A glória do evangelho é ter ele base no princípio de restaurar na raça caída a imagem divina, por uma constante manifestação de beneficência. Esta obra começou nas cortes celestiais. Ali deu Deus aos seres humanos uma prova inequívoca do amor que a eles nutre. "Amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna." João 3:16. O dom de Cristo revela o coração do Pai. Testifica que, havendo empreendido nossa redenção, Ele não poupará coisa alguma, por cara que Lhe seja, a qual se necessite para completar Sua obra.

O espírito de liberalidade é o espírito do Céu. O abnegado amor de Cristo é revelado na cruz. Para que o homem pudesse ser salvo, deu Ele tudo quanto possuía, e em seguida Se deu a Si mesmo. A cruz de Cristo apela para a beneficência de todo seguidor do bendito Salvador. O princípio ali ilustrado é dar, dar. Isto levado a efeito em real beneficência e boas obras, é o verdadeiro fruto da vida cristã. O princípio dos mundanos é adquirir, adquirir, e assim esperam conseguir felicidade; mas, levado a efeito em todos os seus aspectos, o fruto é miséria e morte.

A luz do evangelho que brilha da cruz de Cristo reprova o egoísmo, e anima a liberalidade e a beneficência. Não deveria ser fato de ser lamentado, o haver cada vez mais pedidos para dar. Deus, em Sua providência, está chamando Seu povo para fora de sua limitada esfera de ação, a fim de que se dediquem a maiores empreendimentos. Esforço ilimitado é o que se requer neste tempo em que trevas morais cobrem o mundo. Muitos do povo de Deus estão em perigo de ser enredados pelo mundanismo e cobiça. Deveriam compreender que a Sua misericórdia é que multiplica os pedidos de seus meios. Têm que ser-lhes apresentados objetivos que estimulem a beneficência, ou do contrário não poderão imitar o caráter do grande Exemplo.

As Bênçãos da Mordomia

Dando aos discípulos a comissão de ir "por todo o mundo" e pregar "o evangelho a toda criatura" (Mar. 16:15), Cristo designou aos homens a obra de disseminar o conhecimento de Sua graça. Porém, enquanto alguns saem a pregar, Ele roga a outros que atendam a Seus pedidos de ofertas, para manter Sua causa na Terra. Pôs Ele meios nas mãos dos homens, para que Seus dons divinos possam fluir através de canais humanos, fazendo nós a obra que nos foi designada, de salvar nossos semelhantes. Esta é uma das maneiras em que Deus exalta o homem. É justamente a obra de que o homem precisa; pois lhes despertará no coração as mais profundas simpatias, e porá em função as mais elevadas faculdades da mente.

Tudo quanto de bom há na Terra, aqui foi colocado pela dadivosa mão de Deus, como uma expressão de Seu amor ao homem. Os pobres são Seus, e Sua é a causa da religião. O ouro e a prata pertencem ao Senhor; e Ele os poderia fazer chover do Céu, se o quisesse. Mas em vez disso fez Ele do homem o Seu mordomo, confiando-lhe recursos não para que fossem acumulados, mas usados em benefício de outros. Deste modo torna o homem o meio pelo qual distribui Suas bênçãos na Terra. Deus planejou o sistema de beneficência, a fim de que o homem se pudesse tornar como seu Criador: de índole benevolente e abnegada, e ser finalmente co-participante de Cristo, da eterna, gloriosa recompensa.

 

Reunindo-se ao Redor da Cruz

O amor expresso no Calvário deve ser reavivado, fortalecido e difundido entre nossas igrejas. Não devemos nós fazer tudo quanto podemos para tornar eficazes os princípios que Cristo trouxe ao mundo? Não nos devemos esforçar para estabelecer e tornar eficazes os empreendimentos de beneficência que agora são reclamados sem demora? Ao estardes perante a cruz, e verdes o Príncipe do Céu morrendo por vós, podeis fechar o coração, dizendo: "Não, não tenho nada para dar"?

O crente povo de Cristo deve perpetuar o Seu amor. Este amor deve atraí-los juntamente em torno da cruz. Deve despi-los de todo o egoísmo e ligá-los a Deus e uns aos outros.

Reuni-vos ao redor da cruz do Calvário, em sacrifício e abnegação. Deus vos abençoará ao fazerdes o melhor que podeis. Ao vos aproximardes do trono pela áurea cadeia baixada do Céu à Terra, para arrancar homens do abismo do pecado, vosso coração se expandirá em amor aos vossos irmãos e irmãs que estão sem Deus e sem esperança no mundo. Testemunhos Seletos, vol. 3, págs. 403 e 404.


Do Livro. Conselhos Sobre Mordomia Pags. 13 - 16

domingo, 20 de março de 2022

O Período do Conflito Entre Cristo e Satanás Será de Quantos Anos?

 

 O Período do Conflito Entre Cristo e Satanás Será de Quantos Anos?

 

Qual o período do grande conflito? ... Seis Mil anos? ... Quase Seis Mil? ... Cerca de Seis Mil? .... Ou, aproximadamente Seis Mil anos?

Ou então. Seis mil e trinta anos, Seis mil e cinquenta...  Quantos? ...

Muito se tem discutido sobre o período do conflito entre Cristo e Satanás nesta terra. Todos sabemos que na terra, começou quando Satanás tentou os nossos primeiros pais, Adão e Eva, levando-os ao pecado, e a expulsão do Éden.

Todos sabemos também, que quando Jesus voltar, os salvos serão levados ao céu, e reinarão mil anos com Jesus, e satanás ficará preso aqui na terra, por mil anos.

Agora que estamos no final dos tempos, fica a pergunta:

Qual é o período desse conflito?

A maioria dos pastores dizem que não devemos mencionar qualquer período. Alguns ficam até nervosos se algum pregador insinua algum tempo aproximado para o final desse período

Ellen White escreveu, com todas as letras, que o tempo do reinado de satanás será de Seis Mil Anos. Porém a maioria dos pastores, dizem que não é bem assim. Que não é exatamente seis mil anos, dizem que é: “aproximadamente”, “talvez”, “cerca de”, “perto de”, ou...  Não importa o tempo. O importante é estarmos preparados para a hora que vier

Certo. Também concordo que devemos estar preparados para o momento da volta de jesus, venha Ele no tempo que vier; inclusive, por que não sabemos a hora da nossa morte. Hoje estamos vivos, e amanhã talvez não estejamos

Mas a pergunta continua.

O período do conflito serão quantos anos?


Ellen White responde:

"Chegará o estrondo até à extremidade da Terra, porque o Senhor tem contenda com as nações, entrará em juízo com toda a carne; os ímpios entregará à espada." Jer. 25:31. Seis mil anos esteve em andamento o grande conflito; o Filho de Deus e Seus mensageiros celestiais estavam em conflito com o poder do maligno, a fim de advertir, esclarecer e salvar os filhos dos homens. Agora todos fizeram sua decisão; os ímpios uniram-se completamente a Satanás em sua luta contra Deus. Chegado é o tempo para Deus reivindicar a autoridade de Sua lei que fora desprezada. Agora a controvérsia não é somente com Satanás, mas também com os homens. "O Senhor tem contenda com as nações"; "os ímpios entregará à espada".

O sinal de livramento foi posto sobre aqueles "que suspiram e que gemem por causa de todas as abominações que se cometem". Agora sai o anjo da morte, representado na visão de Ezequiel pelos homens com as armas destruidoras, aos quais é dada a ordem: "Matai velhos, mancebos, e virgens, e meninos, e mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; e começai pelo Meu santuário." Diz o profeta: "E começaram pelos homens mais velhos que estavam diante da casa." Ezeq. 9:1-6. A obra de destruição se inicia entre os que professaram ser os guardas espirituais do povo. Os falsos vigias são os primeiros a cair. Ninguém há de quem se compadecer ou a quem poupar. Homens, mulheres, donzelas e criancinhas perecem juntamente.

O profeta Isaías, vendo antecipadamente o tempo da queda de Satanás, exclama: "Como caíste do Céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao Céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono. ... Serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo. Os que te virem te contemplarão, considerar-te-ão, e dirão: É este o varão que fazia estremecer a Terra, e que fazia tremer os reinos? Que punha o mundo como um deserto, e assolava as suas cidades? que a seus cativos não deixava ir soltos para suas casas?" Isa. 14:12-17.

(Livro o Grande Conflito, Pag. 656)

Durante seis mil anos a obra de rebelião de Satanás tem feito "estremecer a Terra". Ele tornou "o mundo como um deserto", e destruiu "as suas cidades". E "a seus cativos não deixava ir soltos".

Durante seis mil anos o seu cárcere (o sepulcro) recebeu o povo de Deus, e ele os queria conservar cativos para sempre; mas Cristo quebrou os seus laços, pondo em liberdade os prisioneiros.

Mesmo os ímpios agora se acham colocados fora do poder de Satanás, e sozinho, com seus anjos maus, permanecerá ele a compenetrar-se dos efeitos da maldição que o pecado acarretou. Todos os reis das nações, todos eles jazem com honra cada um na sua casa [sepultura]. Mas tu és lançado da tua sepultura, como um renovo abominável. .... Com eles não te reunirás na sepultura; porque destruíste a tua terra e mataste o teu povo." Isa. 14:18-20.

O CG. Pagina 659 )

Vejam.

Ela não disse; “quase”, ou “cerca” ou ainda, “aproximadamente” 

Ela escreveu:  

Seis mil anos. É assim que está escrito Seis mil anos. SEIS MIL ANOS.  Foi assim que ela escreveu 

Pergunta-se: 

Ellen White estava certa? ...  Ela foi inspirada por Deus, ao escrever, “Seis Mil anos”? 

Ou ela apenas imaginou esse período?

Foi ela influenciada por algum escritor, de algum livro que tenha lido no seu tempo, como alguns teólogos afirmam?

Se ela foi influenciada, se a teoria dos Seis mil anos, não é inspirada; como podemos acreditar que seus outros escritos  também são inspirados?

Até onde ela foi inspirada, ou, até onde foi apenas

influenciada pelas muitas leituras que fazia?


Perguntar não ofende espero.

 

Para que não haja dúvidas:

Eu, Manoel Barbosa da Silva, creio que Ellen White foi plenamente inspirada por Deus, e até que me provem o contrário, creio no que ela escreveu, como está escrito.  

 

Postagens de Destaque