terça-feira, 29 de abril de 2014

Estudante diz que 'Deus é o mais importante em sua vida' e por isso é vetado em bolsa de estudos

Ainda há quem acredita que nunca será votada leis contra a liberdade de crença. Os adventistas foram os primeiros a pregar sobre esse tema. A principal escritora adventista, Ellen White, Escreveu que perto da volta de jesus, perderemos nossa liberdade de crença, e muitos serão presos, privados dos seus direitos, e até mortos, por causa de suas crenças. E os principais prejudicados, serão os adventistas por se recusarem a trabalhar dia de sábado e ou guardar o domingo

Veja a matéria

Estudante diz que 'Deus é o mais importante em sua vida' e por isso é vetado em bolsa de estudos

 

Fonte - http://restaumaesperanca.blogspot.com.br/2014/04

Estudante de fisioterapia, Brandon Jenkins recebeu o aviso de seu veto inesperadamente, e ao investigar a razão, com a universidade Community College of Baltimore County, descobriu que poderia participar, porque o programa de terapia de radiação "não é lugar para religião".

A afirmação de Jenkins foi dada durante uma entrevista dada no processo seletivo. No entanto, o Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ), órgão que defende o rapaz, aponta que foi a única menção feita a respeito de Deus, e que ele não teria manifestado sua crença se a pergunta não fosse feita.

O ACLJ pede para que a admissão de Jenkins seja concedida no programa, mesmo com atraso e Adrienne Dougherty, diretora e coordenadora do programa reforça que entente que "a religião é parte importante de sua vida", mas o campo não estaria aberto a manifestação religiosa.

"Nós temos muitos pacientes que vêm até nós para o tratamento, alguns de muitas religiões diferentes e outros que não acreditam em nada. Em uma consulta no futuro, você não deve deixar escapar seus pensamentos e crenças fora do processo de entrevista", resume Dougherty.

Em contrapartida, o ACLJ argumenta através do conselheiro David French que a declaração de Dougherty é "ilegal" e "intolerante", e que Jenkins não se deixaria influenciar por sua crença ao atender um paciente. Para completar, ele relata que a universidade nunca especificou que a exposição da crença seria um critério para excluí-lo.

O órgão também descreve Jenkins como um "indivíduo de alto caráter" e "um membro produtivo da sociedade disposto a ampliar suas habilidades de carreira". A corte federal ainda estudará o caso para determinar uma sentença final.


Nota: Onde se encontra a liberdade de expressão e de religião? Se fosse contra um homossexual, como seria a repercussão? Não estaria a mídia secular dando maior ênfase ao caso? A Rede Globo até faria uma reportagem exclusiva? A informação, até o momento desta postagem, só foi encontrada em sites que tratam de assuntos religiosos. Nada contra os homossexuais, defendo que eles também têm todo o direito, mas não podemos esquecer que religiosos também têm.

Postagens de Destaque