quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Adventistas estão unidos em oposição à mutilação genital feminina

Adventistas estão unidos em oposição à mutilação genital feminina

Fonte - http://megaphoneadv.blogspot.com.br/ 


6 de Fevereiro é o Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, e a Igreja Adventista do Sétimo Dia está entre os muitos grupos religiosos, ONGs e organizações que trabalham para acabar com essa prática.

A MGF, também conhecida como "circuncisão feminina", é praticada em quase 30 países na África e na Ásia. Meninas e mulheres jovens são submetidas a procedimentos que alteram intencionalmente ou causam danos aos seus órgãos genitais por motivos não-médicos, muitas vezes como parte de uma tradição cultural ou ritual de iniciação em determinada idade.
Às vezes, a MGF é vista como um símbolo de status e alguns profissionais alegam que a sexualidade desempenha e promove a castidade. Seus efeitos incluem frequentemente infecções, dor crônica e infertilidade. As Nações Unidas proibiram a prática em 2012. A Organização Mundial da Saúde estima que 140 milhões de mulheres sejam vítimas de MGF.
Muitas pessoas, especialmente nos países ocidentais, não estão conscientes da MGF e muitas vezes ficam impressionados quando sabem o que é. Os Adventistas do Sétimo Dia se opõem a esta prática, de acordo com o documento adotado pela visão cristã da Igreja Adventista na Comissão sobre a Vida Humana em 2000.
"Nossa igreja deve continuar a procurar formas amigáveis ​​para desencorajar esta prática, bem como a educação sobre os seus perigos", disse o Dr. Peter Landless, diretor do Departamento de Saúde da Igreja Adventista a nível mundial. "Esperamos que as mulheres jovens possam crescer naturalmente, como Deus as criou."
Heather-Dawn Small, diretora do Departamento de Mulheres da Igreja Adventista a nível mundial disse que seu departamento na sede mundial da denominação e de suas afiliadas em comunidades locais continuam a sensibilização para por fim  a esse problema.
"Nós fazemos o que podemos para curar e ajudar nossas irmãs que sofreram MGF estabelecendo abrigos para as vítimas desta prática, atingindo comunidades onde a prática é perpetrada em meninas e mulheres jovens, e que essa prática desapareça através da educação. "
Um país onde a Igreja Adventista tem trabalhado para combater a mutilação genital feminina é o Quênia. O Centro de Resgate Kajiado é uma casa de acolhimento e educação, que celebra a adolescência com um rito alternativo. "O Centro é visto como uma bênção para muitas famílias em muitas populações", disse Denise Hochstrasser, diretora dos Ministérios da Mulher da Igreja Adventista na região Inter-Europeu, que contribui com o patrocínio do projeto.
A Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) também trabalhou no Quênia com projetos anti-MGF durante anos. Um projeto recente ajudou a educar mais de 2.500 pessoas sobre o assunto, com jovens cantando e pequenas performances teatrais sobre o assunto para as suas famílias e funcionários do governo. Além disso, a iniciativa treinou 189 instrutores para trabalharem com os líderes de suas comunidades de sensibilização sobre a MGF. O programa também suporta aqueles que estavam envolvidos na prática da MGF e com outras atividades geradoras de renda.
Este ano, a ADRA está implementando um programa na província ocidental de Nyanza, no Quênia. O projeto vai oferecer um curso de 10 semanas para ensinar novas habilidades, incluindo relacionamentos saudáveis ​​e os perigos da MGF.
Também na Alemanha, no ano passado, o Hospital Adventista em Berlim, abriu o Centro Flor do Deserto, um centro de reconstrução quirírgica da MGF, em colaboração com a supermodelo Waris Dirie , uma das defensores mais importantes contra a MGF.

Postagens de Destaque