domingo, 21 de setembro de 2014

Papa esquece da História e condena violência religiosa

 

Do site - Criacionismo

 

Papa esquece da História e condena violência religiosa

Telhado de vidro
Acabado de chegar à capital da Albânia, o papa Francisco lançou um apelo à coexistência pacífica entre as religiões praticadas naquele país europeu. E acrescentou que a religião “não pode ser um pretexto para a violência”. “Que ninguém pense que pode fazer de Deus um escudo quando planeja e pratica atos de violência e de desprezo”, afirmou o papa Francisco diante de líderes albaneses em Tirana. O chefe da Igreja Católica saudou a coexistência harmoniosa entre religiões na Albânia, dando o país como “um modelo” a seguir. O papa, de 77 anos, surgiu pálido e com um ar cansado, mas não deixou de elogiar um “país de heróis que sacrificaram suas vidas pela independência da nação e um país de mártires que mantiveram sua fé apesar das perseguições”.
Na sua primeira intervenção na Albânia, o papa argentino saudou ainda “o clima de respeito e de confiança recíproca entre católicos, ortodoxos e muçulmanos que é um bem precioso para o país e ganha um significado especial nesta época”. Isso porque “o sentido religioso autêntico é traído por grupos extremistas que deformam e instrumentalizam as diferenças entre confissões, transformando-as num fator de confronto e violência”.
No seu apelo, Francisco dirigia-se a todas as religiões, mas ficou clara a alusão à violência protagonizada na Síria e no Iraque pelos islamitas do Estado Islâmico.

Nota: Com todo respeito aos irmãos católicos, o papa Francisco esquece deliberadamente que por mais de mil anos a Igreja Católica fez exatamente o que ele agora condena: usou a religião como pretexto para a violência. O Santo Ofício levou às masmorras, à tortura e à fogueira muitas pessoas que cometeram o “pecado” de discordar dos dogmas da igreja medieval, ou que foram acusadas de bruxaria e/ou heresia (confira). Quando o telhado é de vidro, fica difícil condenar os outros... [MB]

Postagens de Destaque