terça-feira, 16 de junho de 2015

Papa fala em sua encíclica "Laudato Si" da lei do descanso semanal

Papa fala em sua encíclica "Laudato Si" da lei do descanso semanal


O Papa Francisco irá na próxima quinta-feira divulgar oficialmente a sua encíclica "Laudato Si", na qual ele aborda a temática do meio ambiente, sugerindo mesmo que este documento sirva como base de reflexão aos dirigentes mundiais que se reúnem nas Nações Unidas.
Posso antecipar um dos capítulos dessa encíclica, no qual Francisco fala da importância do repouso dominical. Creio que para entender as implicações proféticas, bastará ler este excerto do documento, não são necessários muitos comentários.
Capítulo 237, "Laudato Si", Papa Francisco
"O domingo, a participação na Eucaristia tem importância especial. Este dia, bem como o sábado hebraico, oferece-se como dia de restauração das relações do ser humano com Deus, consigo mesmo, com os outros e com o mundo.
O domingo é o dia da Ressurreição, o “primeiro dia” da nova criação, cujos primeiros frutos é a humanidade ressuscitada do Senhor, garantia da transfiguração final de todo o mundo criado. Além disso, este dia anuncia “o repouso eterno do homem em Deus”. Assim, a espiritualidade cristã integra o valor do descanso e da celebração.
O ser humano tende a reduzir o repouso contemplativo ao âmbito do inútil e estéril, esquecendo que assim lhe retira da obra realizada a coisa mais importante: o seu significado. Somos chamados a incluir no nosso trabalho uma dimensão confortável e gratuita, que é diferente de uma simples inatividade. Trata-se de uma outra forma de atuar que faz parte da nossa essência. Desta forma, a ação humana é preservada não só de um ativismo vazio, mas também da ganância desenfreada e do isolamento de consciência que leva a procurar exclusivamente o benefício exclusivo.
A lei do descanso semanal requer abster-se de trabalho no sétimo dia, para que “descansem o teu boi e o teu jumento, e respirem o filho de tua escrava e o estrangeiro” (Êxodo 23:12). O repouso é um vislumbre alargado que permite voltar a reconhecer os direitos dos outros. Assim, o dia de descanso, cujo centro é a Eucaristia, espalha a sua luz por toda a semana, e nos encoraja a cuidar de nossa natureza e dos pobres."
(Tradução não oficial do original em italiano, a partir do rascunho quase final da encíclica; versão definitiva será divulgada na próxima quinta-feira, 18 de junho)
Filipe Reis - via facebook
Nota: O bondoso Criador, após os seis dias da Criação, descansou no sétimo dia e instituiu o sábado para todas as pessoas, como memorial da Criação. O quarto mandamento da lei de Deus requer a observância deste sábado do sétimo dia como dia de descanso, adoração e ministério, em harmonia com o ensino e a prática de Jesus, o Senhor do sábado. O sábado é um dia de deleitosa comunhão com Deus e uns com os outros. É um símbolo de nossa redenção em Cristo, um sinal de nossa santificação, uma prova de nossa lealdade e um antegozo de nosso futuro eterno no reino de Deus. O sábado é um sinal perpétuo do eterno concerto de Deus com Seu povo. A prazerosa observância deste tempo sagrado duma tarde a outra tarde, do por-do-sol ao por-do-sol, é uma celebração dos atos criadores e redentores de Deus.

Razões bíblicas: Gênesis 2:1-3; Êxodo 20:8-11; 31:12-17; Lucas 4:16; Hebreus 4:1- 11; Deuteronômio 5:12-15; Isaías 56: 5 e 6; 58:13 e 14; Levítico 23:32; Marcos 2:27 e 28.
Poderá também gostar de: 

Postagens de Destaque