domingo, 1 de dezembro de 2013

Lição da Esc. Sabatina - Lição 10 - O Dia da Expiação escatológico

30 de novembro a 7 de dezembro






Sábado à tarde

Ano Bíblico: Gl 1–3



VERSO PARA MEMORIZAR:

"Ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado" (Dn 8:14).



Leituras da Semana:


Para melhor compreensão da mensagem do santuário, estude esta tabela, que mostra como a cena do grande juízo em Daniel 7 (estudada na semana passada) é o mesmo evento que a purificação do santuário em Daniel 8:14.



Nesta semana, estudaremos Daniel 8. Descobriremos a verdadeira questão do conflito entre o poder do chifre pequeno e Deus, e veremos por que a purificação do santuário, iniciada em 1844, é a perfeita resposta de Deus a esse desafio.






Domingo

Ano Bíblico: Gl 4–6



O ataque do chifre pequeno


1. Leia Daniel 8, focalizando principalmente os versos 9-14 e 23-25. Qual é o alvo do ataque do poder representado pelo chifre pequeno?


O poder representado pelo chifre pequeno interfere na adoração ao divino "Príncipe do exército" (v. 11; compare com Js 5:13-15) e remove dEle (Dn 8:11, 12) "o diário" (em hebraico tamid), uma palavra que se refere repetidas vezes ao sacrifício diário no ritual do santuário terrestre. Uma vez que o agente das atividades diárias [tamid] no santuário era um sacerdote, muitas vezes o sumo sacerdote, o chifre pequeno tentou usurpar o papel do (Sumo) Sacerdote, ordenar seu próprio "exército" falso, e tirar "o diário". Nesse caso, dado o contexto profético (durante o tempo de Roma papal), obviamente o ataque é contra o ministério sacerdotal de Cristo.

Esse poder usurpa as responsabilidades do Sacerdote celestial e interrompe na Terra a adoração contínua a Deus. Ele age como outro "capitão do exército", fazendo uma guerra espiritual contra o divino Príncipe do Céu, Seu santuário e Seu povo. Torna-se um instrumento terrestre de Satanás. É dito que "grande é o seu poder, mas não por sua própria força" (Dn 8:24). Suas atividades refletem uma guerra cósmica travada em dois níveis, o terreno e o celestial.

O chifre pequeno surge logo após o carneiro (Média-Pérsia) e o bode (Grécia). Portanto, deve ser identificado historicamente com Roma, que sucedeu os reinos da Média-Pérsia (Dn 8:20) e Grécia (Dn 8:21). Embora o chifre pequeno tenha começado como Roma imperial, a maior ênfase está em Roma papal, o foco principal da visão.

Como foi dito anteriormente, o "diário" (tamid) se refere à contínua mediação sacerdotal de Cristo no santuário celestial (Hb 7:25; 8:1, 2). A eliminação do "diário" pelo chifre pequeno representa a introdução de tais inovações papais como a mediação sacerdotal, o sacrifício da missa, o confessionário, e a adoração de Maria, mediante as quais esse poder teve êxito em eliminar o conhecimento e a dependência do ministério contínuo de Cristo no santuário celestial.

Nenhum de nós está imune ao perigo de tentar assumir o lugar de Deus. Estamos nós fazendo isso, ainda que sutilmente?





Segunda

Ano Bíblico: Ef 1–3



"Até quando?"


A presunção do chifre pequeno leva ao clamor por julgamento. Como o carneiro e o bode se engrandeceram e foram destruídos (Dn 8:4, 7, 8), igualmente o poder nele representado se exaltou (Dn 8:9-11). Por isso, vem a pergunta: "Até quando durará a visão"?

2. Quais questões específicas motivam a pergunta de Daniel 8:13 ?

Embora a pergunta enfatize algumas atividades do chifre pequeno, talvez as mais terríveis, ela ainda inclui a extensão de toda a visão, ou seja, abrange os eventos mostrados na visão de Daniel 8.

Nas Escrituras, a pergunta "até quando?" sempre pede pela mudança nas condições prevalecentes em determinado momento. Deus e Seus profetas a dirigem ao povo (Êx 10:3; Nm 14:27 e 1Rs 18:21). O povo também a dirige a Deus (Sl 94:3; Ap 6:10) e o anjo faz essa pergunta ao Senhor (Zc 1:12). O clamor angelical "até quando?" (Dn 8:13; 12:6) é um lamento a respeito de uma aflição contínua. É um apelo por mudança e uma súplica pelo julgamento divino. Tal pergunta expressa a expectativa de que Deus finalmente triunfará.

Como em Zacarias 1:13, onde o Senhor respondeu com "palavras boas, palavras consoladoras", a resposta para a pergunta de Daniel 8:13 surge imediatamente: "Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado" (v. 14).
Uma vez que entendermos a condição humana e o tempo profético em que vivemos, não podemos permanecer em silêncio. O clamor "até quando?" precisa avançar. Ao olhar para o mundo, como podemos deixar de suplicar que o Senhor venha e anuncie um novo mundo, no qual "habita justiça" (2Pe 3:13)? Embora Deus esteja agora atuando, como prometido em Daniel 8:14, queremos que Ele acabe com o reino do mal e volte na glória que Ele prometeu muitas vezes.

Você já perguntou a Deus: "Até quando?" Você continua acreditando que Deus está no controle, por mais tristes que pareçam as perspectivas imediatas, e não importando "quando" as coisas serão resolvidas?





Terça

Ano Bíblico: Ef 4–6



Restauração do santuário


3. Leia Daniel 8:14. O que acontece no fim das "duas mil e trezentas tardes e manhãs"?

A expressão "tardes e manhãs" reflete a linguagem do relato da criação; portanto significa um dia (Gn 1:5, 8, etc.). Isso implica que Deus, usando Seu poder criador, combaterá as atividades destrutivas do chifre pequeno e seu exército. De acordo com o requerimento da pergunta de Daniel 8:13, o Criador provoca uma mudança na condição prevalecente.

A resposta em Daniel 8:14 pode ser lida assim: "Até duas mil e trezentas tardes-­manhãs, então o santo [santuário] será restaurado [purificado]". Um estudo dos termos paralelos a "restaurar" (a partir da palavra hebraica zdq) mostra que essa palavra tem três significados principais: no contexto relacional, denota restauração (Is 10:22); no contexto do santuário, indica limpeza ou purificação (Jó 4:17; 25:4), e no contexto legal, denota vindicação (Jó 34:5). O mesmo verbo é usado para se referir à intervenção de Deus no juízo, quando os retos são vindicados, ou declarados justos (1Rs 8:32; Is 50:8). A palavra santo, usada em Daniel 8:14 (geralmente traduzida como "santuário"), também é usada em associação com pessoas santas (Dn 12:7). Na verdade, Daniel 8:24 deixa claro que o poder do chifre pequeno, como ocorre em Daniel 7, ataca o povo "santo" de Deus.

Assim, a restauração do "santo" (ou "santuário") em Daniel 8:14 inclui a solução para todos os problemas citados anteriormente na pergunta. Não apenas será pronunciado o julgamento contra o poder do chifre pequeno, mas o santuário será purificado. O povo de Deus e Seu santuário alcançarão sua legítima condição. Isso encontra paralelo no que acontecia no Dia da Expiação (Lv 16:20, 30).

A obra de restauração em Daniel 8 é igual ao juízo divino em Daniel 7, onde o julgamento foi proferido em favor dos santos e contra o poder maligno do chifre pequeno.

O mundo precisa saber que a justiça e o juízo, como preditos em Daniel 8:14, acontecerão e que agora é o tempo de aceitar a salvação oferecida em Jesus.

Leia Apocalipse 14:6, 7. Como esses versos se relacionam diretamente com o juízo de Daniel 7 e a purificação do santuário em Daniel 8?






Quarta

Ano Bíblico: Filipenses




Dia da Expiação em Daniel 8


4. Como resultado do Dia da Expiação, o que ocorrerá com o povo de Deus e com o chifre pequeno?

O alvo do ataque do chifre pequeno é o santuário celestial de Deus e Seu povo. O que o futuro reserva para eles? Essa é a pergunta de Daniel 8:13. No entanto, somente o Dia da Expiação pode trazer o santuário e o povo de Deus de volta à sua legítima condição e, assim, justificar o procedimento divino. Portanto, a resposta em Daniel 8:14 deve ser uma atividade do Dia da Expiação. Na verdade, o Dia da Expiação é o único dia sagrado que mostra a mesma combinação de temas importantes conforme apresentados no clímax da visão de Daniel 8: simbolismo do santuário, purificação do santuário e das pessoas, juízo e criação.
Há também vários termos em Daniel 8 que fazem alusão ao Dia da Expiação. O chifre pequeno atua em "rebelião" (Dn 8:12, 13), um termo que ocorre especificamente em Levítico 16:16, 21. Esse termo descreve um pecado desafiador, e somente no Dia da Expiação o santuário pode ser purificado desse pecado. A palavra santo (Qodesh) liga explicitamente Daniel 8:14 com Levítico 16, onde ela ocorre para designar o lugar santíssimo (Lv 16:2, 3, 16, 17, 20, 23, 27, 33). O fato de que o "santo" é restaurado ao seu lugar de direito faz-nos lembrar o Dia da Expiação, quando o "santo" era purificado da "rebelião" (Lv 16:16). O uso específico das imagens de animais, do carneiro e do bode, também é uma alusão ao Dia da Expiação (Lv 16:5), assim como a designação adicional do bode como "peludo" (Dn 8:21), descrição utilizada para os dois bodes no Dia da Expiação.

A guerra travada pelo chifre pequeno no reino da religião é combatida e interrompida pela intervenção divina realizada no contexto do Dia da Expiação escatológico. Por fim, o terror encontrará seu fim, e o povo de Deus, a verdadeira adoração e o santuário serão restaurados à sua legítima posição. Em última análise, o próprio Deus será vindicado. Como Deus demonstrava no Dia da Expiação que Ele é justo em Seus procedimentos e julgamentos, perdoando fiéis e condenando desleais e rebeldes, assim o Dia da Expiação escatológico comprovará que Deus é justo quando salva e quando pune.

Entre as coisas que aprendemos com Daniel 8:14, está o fato de que, mesmo depois de todos esses séculos, o Senhor não Se esqueceu de Suas promessas, e que Ele punirá o mal e recompensará Seus santos. Como você pode se apegar a essas promessas, especialmente nos momentos de provação? Afinal, sem elas, que esperança você teria?

 




Quinta

Ano Bíblico: Colossenses



Daniel 8 e 9


A palavra para visão (em hebraico chazon), na pergunta de Daniel 8:13, se refere a toda a visão de Daniel 8:3-11 (veja Dn 8:1, 2, 13, 15) e inclui o tempo da Média-Pérsia (carneiro), Grécia (bode) e Roma papal (chifre pequeno). Quando a duração da visão é dada como "duas mil e trezentas tardes e manhãs", devemos, portanto, entender que a visão se estende do tempo da Média-Pérsia até o tempo do fim. O texto enfatiza repetidamente que a visão se refere ao "tempo do fim" (Dn 8:17, 19) e "a dias ainda mui distantes" (Dn 8:26). Devido à sua extensão, um período literal de dois mil e trezentos dias não é de modo nenhum suficiente para cobrir o período de tempo da visão. Portanto, é preciso interpretá-la pelo princípio do dia-ano como sendo dois mil e trezentos anos, seguindo o exemplo de Ezequiel 4:5, 6 e Números 14:34.

A questão permanece: Quando os dois mil e trezentos anos começam?

Estudiosos da Bíblia, tanto judeus quanto cristãos, têm visto uma forte ligação entre Daniel 8:14 e 9:24-27, vista há muito tempo como uma poderosa profecia apontando para a vinda do Messias, Jesus.

5. Leia Daniel 9:24-27. O que acontece nesses versos? Qual é a relação entre esses eventos e Daniel 8:14?


Embora a palavra "visão" (chazon) refira-se a toda a profecia de Daniel 8, outra palavra, mareh, traduzida como "visão", aponta especificamente para a "visão [mareh] das tardes e manhãs" (Dn 8:26). É essa mareh [visão], dos dois mil e trezentos dias, que Daniel não entendeu (Dn 8:27). O anjo havia explicado todo o restante.

Vários anos depois, o mesmo anjo, Gabriel, apareceu a Daniel para lhe dar uma mensagem a fim de que ele pudesse entender a visão [mareh] dos dois mil e trezentos dias (Dn 9:23). A profecia das setenta semanas nos ajuda a compreender o elemento de tempo profético de Daniel 8:14. O verbo "decretado" [determinado], no início de Daniel 9:24, e que é melhor traduzido como "dividido" ou "cortado", sugere especificamente que as setenta semanas fazem parte do período maior de dois mil e trezentos dias. Assim, a profecia das setenta semanas é "cortada" da profecia maior de dois mil e trezentos dias de Daniel 8:14. Isso nos dá o ponto de partida para o período profético descrito em Daniel 8:14.





Sexta

Ano Bíblico: 1 Tessalonicences



Estudo adicional


Leia de Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 409-422: "O Santuário Celestial, Centro de Nossa Esperança?", p. 423-432: "Quando Começa o Julgamento Divino".

Em Daniel 9:24-27, o início das setenta semanas é marcado pela "saída da ordem para restaurar e edificar Jerusalém" (Dn 9:25). Esdras relata a respeito de três decretos relacionados a Jerusalém e ao templo, mas apenas o terceiro (Esdras 7:12-26) é o mais eficaz. O rei persa Artaxerxes I emitiu o decreto em 457 a.C. Ele envolvia tanto a reconstrução do templo quanto a edificação de Jerusalém como centro político e administrativo (Ed 7:25, 26). Apenas esse decreto é seguido por ação de graças pela influência divina sobre o rei (Ed 7:27, 28). Somente tendo 457 a.C. como ponto de partida, as 70 semanas (490 anos) atingem o tempo de Cristo, o "Ungido", o "Príncipe" de Daniel 9:25-27. A profecia das setenta semanas apresenta o evento exato para datar o início das duas mil e trezentas tardes e manhãs. Elas começam em 457 a.C. e terminam depois de dois mil e trezentos anos, em 1844 d.C.



Perguntas para reflexão

1. Obtenha uma explicação mais detalhada da ligação entre Daniel 8:14 e a profecia de Daniel 9:24-27. O que essa ligação revela sobre a importância de Daniel 8:14?


2. "O assunto do santuário e do juízo de investigação, deve ser claramente compreendido pelo povo de Deus [...]. Caso contrário, será impossível exercerem a fé que é essencial neste tempo [...]" (O Grande Conflito, p. 488). O que ela quis dizer com essas palavras? Por que é tão importante entender essas coisas?

3. Daniel 7 e 8 lidam unicamente com Roma, e nada mais. Não com o comunismo (como alguns disseram no passado) nem com o Islã (como alguns dizem). Como podemos permanecer fiéis à Bíblia sem ofender outras pessoas? Por que devemos mostrar que nossa preocupação é com um sistema e não com as pessoas envolvidas nele?


Respostas sugestivas: us pela missa, confessionário, adoração à Maria e intercessão de santos. 2. O sacrifício de Cristo foi substituído pela transgressão assoladora; o santuário e o exército de Cristo foram pisados, o que gerou perplexidade no anjo que fez a pergunta. 3. O santuário é purificado. A mensagem da salvação em Cristo é restaurada no coração das pessoas. 4. O povo de Deus será libertado e restaurado à sua legítima condição, enquanto o chifre pequeno será destruído. 5. A profecia das 70 semanas ou 490 anos, período inicial da profecia das 2.300 tardes e manhãs. Esse período foi separado para que o povo judeu aceitasse a salvação em Jesus Cristo. Do contrário, perderia seus privilégios especiais.

Postagens de Destaque