segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

É pecado comer carne?

É pecado comer carne?

Alguns acham que a reforma de saúde é condição para entrar no céu. Outros saem pelas Igrejas criando nos crentes desavisados complexo de culpa porque ainda não aderiram à reforma de saúde. O pior, é que muitos destes fanáticos usam esse argumento - de que quem come carne está em pecado -, para condenar a Igreja Adventista do Sétimo Dia de apostatada e Babilônia, por aceitar pessoas que comem carne em sua membresia. Por esta razão foi que resolvi publicar outra vez esse mesmo artigo.

É pecado comer carne?

Comer ou não comer carne. Esse é um assunto muito discutido em nosso meio. Há quem ache que isto não tem nada a ver com salvação, e comem carne à vontade, já outros ensinam que quem come carne não vai para o céu, e citam um famoso trecho de Ellen White onde ela parece afirmar isto, que quem come carne, não entra no céu de forma nenhuma.

“Devem ser vistas maiores reformas entre o povo que pretende estar aguardando o breve aparecimento de Cristo. A reforma de saúde deve realizar uma obra entre o nosso povo que ela ainda não realizou. Há os que devem estar atentos para o perigo de comer carnes, pois ainda estão ingerindo a carne de animais, arriscando assim a saúde física, mental e espiritual. Muitos que agora estão apenas meio convertidos no tocante à questão de comer carne, se afastarão do povo de Deus para não mais andar com eles”. Review and Herald, 27 de maio de 1902.

Seria Ellen White extremista, a ponto de fechar o céu a quem come um bom bife acebolado, ou há exagero e má interpretação do texto mencionado? É pecado comer carne? Os carnívoros estarão no céu, palitando os dentes, ao lado dos magricelas naturistas? Vejamos o que diz o Espírito de Profecia:

“Nunca julguei ser meu dever dizer que ninguém deveria provar carne sob quaisquer circunstancia”. Csra. 462.
“À luz que me fora comunicada era que a carne, em condições de saúde, não devia ser cortada imediatamente”. Crsa. 413

Como se pode ver pelos textos acima, era que Ellen White não era extremista em relação a comer carne. Apesar de que a sua orientação principal era a favor do regime vegetariano.
Não precisa ser adventista para saber que o regime vegetariano é o melhor para saúde. Hoje ser vegetariano é moda. Qualquer médico explica com riqueza de detalhes, os perigos da carne vermelha. Toda mídia, hoje, faz campanha a favor da alimentação natural e a bandeira vegetariana, que era nossa, hoje já não é mais só nossa. Ela pertence a todos os que são esclarecidos e lutam por uma boa saúde.

Quanto ao texto citado no início, muitos deixaram de andar com o povo de Deus não é apenas por que comem carne, mas porque não são convertidos. E Ellen não diz que todos deixarão a igreja, diz que ‘muitos’ deixarão o povo de Deus. E isto é uma verdade. Assim como já vi muitos vegetarianos deixarem a igreja apesar de serem ‘convertidos’ à alimentação vegetariana. Em suma. Muitos que comem carne deixarão o povo de Deus, assim como muitos vegetarianos já o deixaram.
O que não acreditamos é que quem come carne, esteja definitivamente fora do céu, e que os vegetarianos sejam mais santos que os carnívoros. Primeiro, porque Ellen White não disse isto, ela nunca pôs seus escritos acima da Bíblia, e a Bíblia, em nenhum lugar condena quem come carne limpa. Ao contrario, a Bíblia tanto orienta comer carne como exemplifica na pessoa dos patriarcas e do próprio Jesus.

“Porém, segundo o desejo da tua alma, poderás matar e comer carne nas tuas cidades, segundo a benção do senhor, teu Deus; o imundo e limpo dela comerão, assim como se come da corsa e do veado” Deut, 12: 15.

Quando Jesus veio a terra em missão especial, para destruir as cidades de Sodoma e Gomorra, ele hospedou-se na casa de Abraão, e ali ele comeu carne.

“Tomou também coalhada e leite e o novilho que mandara preparar, e pôs tudo diante deles; e permaneceu de pé, junto a eles, debaixo da árvore, e eles comeram”. Gen. 18: 8.

Cristo celebrava a páscoa com seus discípulos e comia carne, pois a páscoa era, nada mais, nada menos, que um bom carneiro assado no fogo.

“Naquela noite, comerão a carne assada no fogo; com pães asmos e ervas amargas a comerão”. Êxodo, 12: 8. E Jesus disse: “Ide prepara-nos a páscoa para que a comamos” Lucas 22: 8. “E disse-lhes: Tenho desejado ansiosamente comer convosco esta páscoa” v. 15.

A páscoa era um carneiro assado no fogo, e não no forno, portanto era um (para desespero dos fanáticos) churrasco.

Quando Elias fugia da terrível Jezabel, foi esconder-se bem distante, às margens do ribeiro querite, e ali os corvos lhe traziam diariamente, um bom sanduíche, pela manhã, e outro à tarde.

“Os corvos lhe traziam pela manhã pão e carne, como também pão e carne ao anoitecer; e bebia da Torrente. 1 Reis. 12:6”.

Jesus abençoou e multiplicou pães e peixes:

S. Mat. 14:19-21; após a ressurreição comeu peixe, Luc. 24:41-43. Pedro só não comia carnes imundas. Atos 10:14.

Não queremos com isto diminuir a importância do regime natural, nem desanimar aqueles que estão começando a se tornar vegetarianos; pelo contrário, desejamos que cada adventista procure o melhor alimento para saúde, pois a serva de Deus foi muito clara em orientar sobre os perigos da alimentação de origem animal.

“Os hábitos e práticas dos homens, levaram a Terra a tal condição que algum outro alimento precisa substituir a carne para a família humana... Devem ser preparados alimentos saudáveis e nutritivos para que os homens e mulheres, não tenham que comer carne”. Csra. 404.
“Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso criador”. Csra. 81
‘Deus está atuando em favor de Seu povo. Ele não quer que fiquem sem recursos. Está reconduzindo-os ao regime alimentar fornecido originalmente ao homem. Esse regime deve consistir em alimentos feitos com produtos que Ele proveu. Os produtos principais usados na confecção desses alimentos serão frutas, cereais e frutos oleaginosos, mas várias raízes também serão usadas.

Devemos ser cuidadosos, em não criar nas pessoas um sentimento de culpa por ingerir carne, porque a carne, apesar de não ser o melhor alimento para a saúde, não é ponto de salvação, nem prova de comunhão.

“Não nos compete fazer do uso da alimentação cárnea, uma prova de comunhão. Csra. 404”.

Carne pode ser comida em caso de doença, e em lugares onde falta alimento para substituí-la.

“Em certos casos de doença ou exaustão, poderá ser considerado melhor usar alguma carne, maior cuidado deve ser tomado para adquirir carne de animais sadios... o regime cárneo não é o mais são, e, todavia eu não tomaria a atitude de que ele deva ser rejeitado por toda pessoa. Os que têm fracos órgãos digestivos, podem muitas vezes comer carne, quando não lhes é possível ingerir verduras, frutas e mingaus”. Csra. 394, e 395.

Também se deve considerar a cultura e o poder aquisitivo do povo. Pois muitos têm dificuldade de aderir a alimentação vejetariana, por que a carne se torna mais barata que as verduras

‘Em alguns países em que é comum a pobreza, é a carne o alimento mais barato. Sob estas circunstâncias a mudança se efetuará sob maiores dificuldades; pode, no entanto ser operada. Devemos, porém, considerar a situação do povo e o poder de um hábito de toda a vida, sendo cautelosos em não insistir indevidamente, mesmo quanto a idéias justas. Ninguém deve ser solicitado a fazer abruptamente a mudança. A Ciência do Bom Viver, págs. 316 e 317.

A mudança deve ser feita com alimentos baratos, nutritivos e saborosos.

"O lugar da carne deve ser preenchido com alimento saudável e pouco dispendioso. A esse respeito, muito depende da cozinheira. Com cuidado e habilidade se podem preparar pratos que sejam nutritivos e ao mesmo tempo saborosos, substituindo, em grande parte, alimentos cárneos". Csra 398

Se não for possível conciliar estas coisas, pode-se comer carne, pois a própria serva de Deus comia quando não conseguia.

“Quando não me foi possível obter o alimento de que necessitava, comi um pouco de carne, algumas vezes, mas estou ficando cada vez mais atemorizada de fazê-lo. Csra. 394”.
“Cortei imediatamente a carne de meu cardápio. Depois disto fui por vezes colocada em situações em que me senti compelida a comer um pouco de carne”. Csra. 48, {carta escrita em 1901. Em 1894 havia resolvido deixa-la de vez.}.
“Tenho visto famílias cujas circunstancias não lhes permitiam suprir a mesa com alimento saudável. Vizinhos incrédulos mandavam-lhes porções de carnes de animais mortos recentemente. Faziam sopa dessa carne, suprindo suas famílias grandes, de muitos filhos, refeições de sopa e pão. Não era meu dever, nem julgo de ter sido dever de quem quer fosse fazer-lhe conferencias sobre os males do comer carne... não é meu dever fazer-lhes discursos sobre o comer saudável”.Csra. 463.

Os advogados da alimentação natural chegam, às vezes, a condenar leite e ovos, como sendo proibido por Deus, e um empecilho à salvação. Afirmam categoricamente que estes itens devem ser banidos da alimentação, antes da porta da graça fechar, pois quando isto acontecer, quem os usa, estará definitivamente fora do céu.

Felizmente a serva de Deus não era fanática e não ousou fechar o céu a quem usasse leite, ovos, manteiga, ou qualquer outro produto de origem limpa. O que ela orientou, foi sobre os perigos destes alimentos, pois qualquer um hoje em dia, já sabe dos perigos que estes produtos podem trazer ao organismo devido às doenças que podem transmitir. Mas quem disse que as verduras de hoje são 100% saudáveis?... Quantas toneladas de venenos não são lançadas nas hortas de hoje diariamente?...

Mas voltando aos ovos, leite e manteiga. Veja o que ela diz.

"Conquanto eu rejeite os alimentos cárneos como nocivos, pode-se usar alguma coisa menos objetável, e isto se encontra nos ovos. Não retire da mesa o leite, nem proibais seu uso no cozimento de alimentos. O leite que se usa deve ser conseguido de vacas sadias, e ser esterilizado.
Os que assumem um ponto de vista extremo quanto à reforma de saúde correm o risco de preparar pratos insípidos. Isto se tem feito repetidamente. O alimento ficou tão insípido que era recusado pelo estômago. O alimento dado aos doentes deve ser variado. Não lhes devem ser dados os mesmos pratos vez após vez. ...
Tenho-vos dito estas coisas porque fui instruída de que estais prejudicando vosso corpo mediante um regime de miséria. Devo dizer-vos que não convirá instruirdes os estudantes como tendes feito, acerca da questão do regime, porque vossas idéias acerca de descartar certas coisas não serão para benefício dos que carecem de auxílio. Csra 203.
“Leite e ovos não devem ser classificados entre os alimentos cárneos”. Csra. 402
“Obtende ovos de galinhas sadias, usai estes ovos cozidos ou crus... Leite e ovos devem ser incluídos em vosso regime”. Csra. 205.
“Não lhes posso dizer: não deveis comer ovos, nem leite, nem creme; não deveis usar manteiga no preparo do alimento... não chegou o tempo de prescrever o regime mais estrito”.Csra. 206.
“Não julgue ninguém que deva apresentar uma mensagem pormenorizada quanto aos artigos que nosso povo deva por á mesa. Os que assumem uma atitude extrema verão afinal que os resultados não são o que julgavam fossem”.Csra. 210.
“A reforma dietética deve ser progressiva”. CBV. 321.

Os fanáticos da reforma da saúde põem os alimentos de origem animal no mesmo nível dos alimentos tóxicos como, álcool, café fumo etc. Já vi alguns ensinando que comer um churrasco é equivalente a fumar 600 cigarros. Bobagens como esta levam algumas pessoas simples a sentirem remorsos quando comem algum alimento de origem animal. Não tem como deixar os alimentos cárneos, por não terem condições de mudar de hábitos, porém se sentem "crentes de segunda classe" porque ainda usam esses produtos. Felizmente a serva de Deus pensava diferente e deixou instruções para que não devêssemos colocar alimentos de origem animal em pé de igualdade com produtos tóxicos.

“Chá, café, fumo e álcool precisam ser apresentados como condescendências pecaminosas. Não podemos pôr a carne, os ovos, a manteiga e o queijo em pé de igualdade com esses artigos colocados sobre a mesa. Estes não devem ser postos na frente, como o tema principal de nossa obra. Os primeiros - chá, café, fumo, cerveja, vinho e todas as bebidas alcoólicas - não devem ser ingeridos moderadamente, mas rejeitados. Mensagens Escolhidas, vol. 3, pág. 287”.

Ninguém deve ser critério para os outros. Se você não deseja comer, o que quer que seja, é um direito seu. O que você não deve é sair por aí atanazando a vida dos outros porque ainda comem alimentos que você considera pecado. Nunca faz mal, uma leitura atenciosa de Romanos 14, onde o apóstolo insiste que respeitemos os direitos dos outros, e prezemos a liberdade alheia.

Ellen White falava a mesma linguagem

“Os que não tem, senão, parcial compreensão dos princípios da reforma, são, muitas vezes, os mais rígidos, não somente em viver segundo as suas próprias idéias, como em insistir nas mesmas para com a família e os vizinhos... ninguém devia criticar outros porque não esteja, em todas as coisas, agindo de acordo com seu ponto de vista”.CBV. 316-319.
“Não me ponho como critério para eles,... uma pessoa não pode ser critério para outros em questão de comida. Impossível é fazer uma regra para ser seguida por todos”. Csra. 491. Carta 127. 1904 .

A Sra. White era tão equilibrada que, a alguém cujo estômago não digeria bem outros alimentos, ela serviu carne.

“ Instantes alegações foram feitas de que alguém não podia comer isto ou aquilo, e que seu estômago podia digerir carne melhor que qualquer outra coisa. Assim fui incitada a pô-la na minha mesa”. Csra. 489. Carta 73a 1896. [três anos após a resolução de não mais tocar em carne]

Para concluir, vejamos o que o apóstolo Paulo disse sobre essas disputas envolvendo alimentação.

"Um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes" Rom. 14: 2.
"O que come não despreze o que não come, e o que não come não julgue o que come, pois Deus o recebeu por seu."
"Quem és tu, que julga o servo alheio? Para seu próprio senhor ele esta em pé, ou cai. E estará firme, pois poderoso é Deus para o firmar." Rom. 14: 3,4.

Com estas palavras, o apóstolo não estava incentivando ninguém a comer carne, muito menos, carne imunda como alguns dizem. O que Paulo queria ensinar é que não é nosso dever sair por aí condenando quem quer que seja por motivo de comida.

Veja mais estes versos:

"Se por causa de comida entristece o teu irmão, já não andas conforme o amor. Não faças perecer por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu.
Pois o reino de Deus não é comida, nem bebida; mas justiça, paz, e alegria no Espírito Santo.
Porque quem nisto serve a Cristo, agradável é a Deus, e aprovado pelos homens.
Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz, e para a edificação de uns para com os outros.
Não destrua por causa da comida a obra de Deus. É verdade que tudo è limpo; mas é errado comer com escândalo.
Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que o teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça. Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena naquilo que aprova.
Mas aquele que tem dúvidas se come, está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não provem da fé é pecado." Romanos. 14: 15-23.

Como se pode ver pelos que foi exposta acima, a melhor alimentação é a vegetariana, e devemos fazer todo o esforço possível para substituir a alimentação cárnea do nosso cardápio.
Ser vegetariano é mais que um direito, pela luz que temos, é uma obrigação que todos deveríamos seguir.
Porém não devemos ser fanáticos ao extremo de querer fechar o céu a quem ainda come carne. Pois o julgar pertence a Deus. E se Ele, através da Bíblia, não condenou os que comem carne limpa, tampouco o Espírito de Profecia o fez, e não seremos nós que havemos de fazê-lo.

Pr. Manoel Barbosa da Silva

Postagens de Destaque