quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Lei de proteção aos gays e perseguição às igrejas

O cerco está se fechando. Pelo andar da carruagem, logo os cristãos que valorizam a familia serão presos e os gays estarão por aí rindo da istituição mais sagrada que existe que é a família. O supremo ja deu o pontapé inicial, instituindo a união estavel entre gays, como se duas pessoas do mesmo sexo formasse uma família.
Não é, nunca foi, e nunca será uma familia  duas pessoas do mesmo sexo. É uma aberração, contra a natureza, contra o bom senso e contra as Leis de Deus. Como disse um certo cantor popular: "Deus fez adão e Eva, e não, Adão e Ivo".
Amanhã, quinta feira dia 12 de maio, será votada na comissão de constituição e justiça, do Senado, o famigerado PLC 122 que põe, em definitivo, a mordaça na população.
A partir daí, viveremos a ditadura gay. Será pior que os tempos da ditadura militar. Jornais poderão ser fechados, pastores poderão ser presos, pais de familias serão levados as barras da justiças, se ensinarem aos filhos que homossexualismo é pecado. Este Blog poderá ser fechado e o dono preso, por que não deixarei de escrever contra esta aberração
Veja a noticia que foi publicada em maio de 2011 no site noticias gospel mais, que transcrevo aqui no meu humilde Blog

Comissão de Direitos Humanos do Senado decidirá sobre a PLC 122 nesta quinta-feira



Publicado por Renato Cavallera (perfil no G+ Social) em 11 de maio de 2011


Notícias Gospel em seu email ou no facebook


A Comissão de Direitos Humanos (CDH) deve votar nesta quinta-feira (12) o substitutivo que a senadora Marta Suplicy (PT-SP) fez no PLC 122, projeto que tem como objetivo criminalizar toda opinião filosófica, médica, moral e religiosa contrária à relação sexual entre homens.
O texto substitutivo sugere poupar da criminalização apenas os discursos feitos dentro do templo de igrejas. Mas a concessão especial aos religiosos está causando revolta entre os ativistas homossexuais, que veem na concessão uma mutilação da lei.
A equipe de Marta Suplicy rebate tal argumento, indicando que discursos “homofóbicos”, com exceção dos feitos em templos, “serão criminalizados” nas vias públicas, nos programas de televisão e rádio, nas revistas, jornais, etc.
O Projeto de Lei Complementar 122/2006 é de autoria da ex-deputada federal Iara Bernardi, do PT de São Paulo, e foi ardilosamente aprovado em 2006 na Câmara dos Deputados. Mas, desde que chegou ao Senado, tem enfrentado forte resistência da população, que tem feito contato com os senadores no sentido de não aprová-lo. O PLC 122 havia sido arquivado no começo deste ano, depois da derrota eleitoral de sua relatora, a ex-senadora Fátima Cleide, do PT de Rondônia, porém a senadora Marta Suplicy conseguiu desarquivá-lo e agora tenta avançar a lei que criminaliza a “homofobia”.
Ativistas homossexuais acreditam que agora é o “grande” momento de se votar o PLC 122, por causa da aprovação por unanimidade das uniões estáveis para duplas gays pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Se o Congresso relutar e fizer com o PLC 122 o que fez com o projeto de parceria civil homossexual de Marta Suplicy que estava parado desde 1995, os militantes gays esperam que o STF novamente dê um “jeitinho”.


Fonte: Julio Severo





Postagens de Destaque