sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

O Sete Pecados Mortais - Nº 3 -A INVEJA OU O CIÚME



A  INVEJA  OU  O  CIÚME 

BILLY GRAHAM 


A INVEJA e o ciúme podem arruinar reputações, dividir igrejas e provocar homicídios. A inveja pode abalar o nosso círculo de amizades, arruinar nossos negócios e debilitar nossas almas. A procrastinação pode ser o ladrão do tempo, mas a inveja é a matadora das almas. Pelo livro de Jó 5:2, vemos que a inveja pode matar a você, prezado leitor – e a moderna psiquiatria o confirma – "porque a ira destrói o louco e o zelo mata o tolo."
Há uma história grega que nos fala de um homem que matou pela inveja. Seus compatrícios haviam erigido uma estátua a um deles, por ser campeão dos jogos públicos. Tal homem, porém, que era rival do atleta campeão, mostrava-se tão invejoso que resolveu destruir a estátua. Noite após noite, aproveitando-se da escuridão, ia com uma talhadeira cortando a base da estátua para derribá-la. Por fim conseguiu seu intento, pois a estátua veio ao chão. Mas caiu sobre ele! Assim, tal homem morreu vitimado por suas próprias mãos, pela inveja.
A Bíblia, cujos conselhos são mais sábios que os dos maiores psiquiatras, nos admoesta a nunca invejarmos os ricos. No Salmo 49:16 lemos isto: "Não temais, quando alguém se enriquece, quando a glória de sua casa se engrandece." O invejar aqueles que são mais prósperos do que nós não nos traz nenhum centavo a mais, e leva a alma à bancarrota. O invejoso de algum modo sente que a fortuna dos outros é infelicidade sua, que o sucesso de outrem é sua derrota e que a bênção dos outros lhe é maldição. E a ironia de tudo isso está em que, construindo o invejoso esse pensamento errado, a sua queda se torna inevitável. Nunca vi homem algum que tirasse proveito de invejar os outros, e tenho visto inúmeros estragados por ela.
Você não pode ter uma personalidade bem desenvolvida e ao mesmo tempo abrigar a inveja em seu coração. Em Provérbios 14:30 se nos diz: "O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é a podridão dos ossos." A inveja não é arma defensiva – é instrumento ofensivo, usado na tocaia espiritual. Fere pelo prazer de ferir, e mata pelo prazer de matar.
Perguntou o salgueiro ao espinheiro: "Por que você inveja tanto as roupagens daqueles que passam perto de você? De que lhe servem tais roupagens?" E o espinheiro respondeu: "Não me servem para nada. Nem tenho o menor desejo de usá-las. Apenas gosto de rasgá-las."
Todas as pessoas invejosas são como o espinheiro: acham prazer em destruir os outros, não ganhando nada com isso.
A inveja é, dos pecados da carne, um dos mais odiosos e repelentes. É um dos mais impertinentes. É sempre duramente condenado pelos sábios de qualquer geração, e muito mais por Deus.
O rei Salomão dizia em Provérbios 27:4 – "Cruel é o furor e a impetuosa ira; mas quem parará perante à inveja?"
Paulo escrevendo aos Gálatas, cap. 5, verso 26, inspirado pelo Espírito Santo, aconselha: "Não nos tornemos vangloriosos, provocando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros."
E o apóstolo Tiago disse: "Porque onde há ciúme e sentimento faccioso, aí há confusão e toda obra má" (Tiago 3:16).
Francisco Bacon disse: "Aquele que busca cumprir seus deveres não acha tempo para a inveja. Esta é uma paixão de vagabundos, e vive a passear nas ruas e não gosta de ficar em casa."
Horácio disse: "O invejoso emagrece com a prosperidade dos outros."
Samuel Johnson também disse da inveja: "A inveja é a única paixão que nunca pode estar quieta por falta de incitamento."
Petrônio disse que "o abutre que devora nossas entranhas – fígado, coração e nervos – não é o pássaro de que falam os nossos poetas, e sim as doenças da alma – a inveja e a luxúria."
Conforme diz a Bíblia, a inveja é inerente à nossa natureza. Em Tiago 4:5, lemos: "Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O espírito que em nós habita tem ciúmes?"
Caim teve inveja de Abel porque Deus se agradou de Abel e de sua oferta, e por isso o matou. A inveja não precisa de justificativa para atacar e matar. As mais das vezes não há razão real para a sua existência. A inveja nasce do coração humano não regenerado, tão naturalmente como as sementes formam um jardim florido.
Os irmãos de José tinham inveja dele e o venderam para que fosse viver como escravo no Egito. Pagaram essa má ação, sofrendo depois terrível fome que assolou todo o país deles, e, no final, viram-se forçados a reconhecer a superioridade de José. A inveja deles empobreceu suas vidas, e o mal que desejaram a José nunca apareceu. A inveja é como essa arma chamada bumerangue: fere mais ao que ataca do que .ao atacado.
Hamã, tendo inveja do sábio Mardoqueu, teceu intrigas políticas para alijá-lo. Estava tão certo de que ia aniquilar o objeto de sua inveja que, em ânsia extrema, construiu a forca em que dependuraria a Mardoqueu. Mas, a trágica história terminou assim: "Enforcaram, pois, a Hamã na forca que ele havia preparado para Mardoqueu" (Ester 7:10).
Quantos de vocês já foram enforcados na forca que prepararam para outra pessoa? Muitos homens têm morrido na forca da inveja que prepararam para outros. Olhe você a seu redor! Na sociedade de que você faz parte terá certamente visto pessoas que guardam ressentimentos para com outros, que procedem cinicamente para com Deus e a religião, ou são más para com a vizinhança. Desafio o leitor amigo a que me mostre um invejoso que seja feliz. No instante em que se põem a preparar a forca da inveja, estão já espiritualmente mortos.
Por que a inveja é pecado tão grande? Será por capricho que Deus a condena tão positivamente? Será que Deus a proíbe arbitrariamente para nos tornar miseráveis? É certo que não. Deus se interessa muitíssimo por que nos desenvolvamos completa e totalmente.
Em III João versículo 2, lemos: "Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma."
A inveja foi um dos pecados de Lúcifer, antes de se transformar em Satã. Ele teve ciúmes da posição ocupada por Deus e resolveu destroná-lo, para se colocar no lugar de Deus. Por isso Deus odeia a inveja e o ciúme. Um dos pecados que levaram Cristo à cruz foi a inveja. O evangelista Marcos diz: "Pois ele sabia que por inveja os principais sacerdotes lho haviam entregado" (Marcos 15:10).
Os fariseus e saduceus tinham inveja de Jesus porque era bem recebido pelo povo. Detestavam o fato de grandes multidões se reunirem para ouvir as palavras de Jesus e o fato de haverem feito de Jesus uma espécie de herói nacional. A inveja crepitava no coração deles como fogo devorador. E se mancomunavam para ver como poderiam matar a Jesus. Os fariseus não se davam muito bem com os saduceus, e deles discordavam profundamente em certos assuntos. Todavia, sendo maior a inveja deles contra Jesus, juntaram seus recursos e forças para fazer Jesus deixar de falar às multidões. Esqueceram as diferenças que os separavam, porque tinham seus corações já descontrolados pela inveja. 
A inveja se apresenta de muitas formas e modalidades; não obstante, é detestada por Deus que abomina a todos quantos se deixam dominar por ela.
Também se condena a inveja porque ela destrói nossa saúde espiritual. A inveja é sintoma devastador daquilo que chamamos "pecado original", pecado de todas as criaturas humanas. Não pense o amigo leitor que é só você quem sofre disso. Todos sofrem desse mal, uns mais outros menos. O próprio apóstolo Paulo, que tão fortemente aconselhava os cristãos a fugir da inveja, sofrera desse mal. Padeceu muito da inveja espiritual. Tinha ciúmes da nova seita chamada cristã, e a inveja o enchia de ira e furor contra "os do Caminho". Assim, ia Saulo de Tarso para cá e para lá, perseguindo e destruindo os cristãos.
Mas no rosto de um cristão chamado Estêvão, a cujo apedrejamento presidira, Saulo viu uma Luz que jamais percebera em sua vida. E essa mesma Luz ele a encontrou na estrada de Damasco. Daí, a inveja de Saulo de Tarso cedeu lugar a um fervente amor e a uma incontrolável alegria. O Saulo amargo, cínico e invejoso, encontrou, como Paulo, um novo interesse na vida, ao deixar a inveja e ao começar a servir o Salvador Jesus.
Quando se descobrem germes da tuberculose minando o organismo humano, faz-se tudo e não se poupa tempo, esforço nem dinheiro para dominar e vencer essa terrível enfermidade. Não obstante, muita gente se aflige por causa da venenosa e mortal inveja e nada faz por conjurá-la! Aos olhos de Deus é a inveja coisa feia, mortal e imoral. É um dos sete pecados mortais mencionados pelo apóstolo Paulo na sua Carta aos Gálatas e corre parelhas com o adultério, o homicídio, a fornicação e a bebedeira. Prevalece mais do que outros males, muito embora o púlpito amiúde nos alerte contra o seu poder destruidor. Embora não seja a inveja proibida por lei, esse vício que se infiltrou na vida moderna é abertamente condenado por Deus.
Em Tiago 5:9, lemos: "Não vos queixeis, irmãos, uns dos outros, para que não sejais julgados. Eis que o juiz está à porta."
Proíbe-se também a inveja pelo fato de ela nos roubar a alegria, a felicidade e o contentamento. Impossível é conhecer a serenidade e o contentamento, tendo-se no coração a inveja. Tenho conhecido inúmeras vidas cheias de amargura, insensibilidade, frustração, confusão e mesmo de incômodos físicos que são resultados diretos da inveja. A inveja priva o invejoso da efetividade no seu trabalho e pode certamente destruir o serviço que se queira prestar a Deus. Ocasiona todos os tipos de males físicos, resultantes da tensão nervosa que provoca.
A inveja isola você da comunhão com Deus. Não há possibilidade de você ser recebido na comunhão de Deus, se você abrigar em seu coração a inveja. Se você não é cristão e nunca entregou seu coração e vida a Cristo, a inveja será um dos sintomas do pecado original que o separa de Deus. Antes de receber uma nova natureza e a vitória sobre a inveja, você precisa se arrepender e receber a Cristo como seu Salvador pessoal. Se você é cristão e abriga em seu íntimo a inveja, isso significa que você está desligado da comunhão com Cristo e não conhece ainda o encanto e o segredo de uma vida vitoriosa. Visto que Deus aborrece e odeia a inveja, não pode Ele abençoar a você enquanto você se mostrar invejoso.
Shakespeare chegou bem perto desta verdade quando disse: "Não, o machado do algoz não tem a metade da agudeza que tem a tua contundente inveja."
A inveja é para a alma o que a erosão é para a terra, pois vai carcomendo a pessoa que a abriga em seu coração, e faz dela uma ilha de condenável egoísmo. Na química do espírito, nenhum pecado é tão devastador, nenhum pecado pode mais rapidamente pôr termo à doce amizade que deve existir entre o homem e Deus.
A inveja o isola também de seus amigos. O invejoso está destinado a viver só. E, ao fim, ele se torna um pária espiritual, isolando-se dos amigos e da comunhão com Deus.
Os que são culpados deste pecado caminham para o julgamento. A Bíblia diz a você e a mim que um dia compareceremos perante o tribunal de Deus e daremos conta de todos os pecados nossos, secretos, de inveja e ciúme que hajamos abrigado em nosso coração.
Muitos estão hoje perguntando ansiosamente: "Como posso me livrar desse pecado devastador que tanto me perturba a alma, a saúde e a felicidade?"
Primeiro: reconheça que você tem esse pecado. Os médicos dizem que o caso bem diagnosticado é já meia cura. Deixe de acusar os outros por seus fracassos. Faça o inventário de sua alma e aja de modo positivo, no sentido de vencer os seus pecados habituais. Admitir uma falta em nada o diminui – pelo contrário, faz com que você se torne maior aos olhos dos seus semelhantes.
Segundo: confesse a Deus o seu pecado e abandone tal pecado. Na Em I João 1:9, lemos: "Se confessarmos... ele nos perdoará." E o apóstolo Tiago , em sua Carta, cap. 5:16, diz: "Confessai, portanto, os vossos pecados... para serdes curados." Inúmeras pessoas entraram pela estrada da cura e recuperação espiritual, confessando abertamente seus pecados a Deus. Confesse os seus pecados, abandone-os, arrependa-se deles.
Terceiro: abra os seus olhos para ver a regeneradora graça de Cristo. A inveja não pode ser vencida e esmagada somente pelas forças humanas. O apóstolo Paulo aprendera o segredo, quando disse aos Filipenses na Carta que lhes escreveu: "Tudo posso naquele que me fortalece" (Filipenses 4:13). À medida que a natureza cristã se desenvolver em sua vida, leitor amigo, você notará que são mais facilmente vencidas as velhas e más tendências e a inveja e o ciúme. Você, então, perceberá melhor o profundo significado destas palavras: "E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências" (Gálatas 5:24) e que "O fruto do Espírito é: alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade. . . " (Gálatas 5:22).
Quarto: peça ao Espírito Santo que desça ao seu coração para lhe conceder vitória. É muito possível o que diz o versículo: "assim também considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus" (Romanos 6:11 ). "O fruto do Espírito é: amor. . . " (Gál. 5:22) e onde o amor habita em todos com toda a Sua plenitude nunca há lugar para a inveja e o ciúme.
Você obterá vitória completa, gloriosa e incomparável entregando-se sem reservas a Cristo, o  Mestre e Senhor.

Postagens de Destaque