terça-feira, 24 de setembro de 2013

Vencendo o Vazio Que Incomoda (PARTE 1)

PALAVRAS DO PSICÓLOGO: Vencendo o Vazio Que Incomoda (PARTE 1)


solidao I
(Esse texto está dividido em duas partes. A primeira é para entender a dificuldade, e a segunda é para lidar com ela).
Conheço um casal bem sucedido na vida profissional. Ele, funcionário público; ela, uma mulher de negócios. Possuem um casal de filhos muito bonitos. Ele recebe um bom salário. São da classe média alta da cidade em que moram. Frequentam a igreja. São inteligentes, novos. Cada um dirige um carro importado, e moram em um bairro nobre. Parece que teriam tudo o que necessitariam para ser felizes. Contudo, conversando com ele, me confidenciou que se sente solitário. Ele é amigo para muitas pessoas, mas quando ele enfrenta dificuldades, não acha que tem alguém com quem conversar. Sua esposa parece passar pela mesma situação, mas ela preenche essa necessidade com atividades. Ele, entretanto, passa muitos tempos mal, pensando em como era feliz. Descobri que eles são de outra cidade. Mudaram-se por causa do emprego dele. E, apesar de já morarem há algum tempo, ainda não se sentem parte do lugar onde moram.
Esse tipo de caso é muito comum. Não as características, mas o sentimento. Pessoas que parecem ter tudo o que se deseja, ainda assim, não encontram a satisfação de viver, a alegria de serem como são. Parece-lhes que falta alguma coisa. E por essa razão, se sentem solitárias. Nesse artigo, quero falar sobre a solidão.
O QUE É A SOLIDÃO?
Falar de solidão atualmente parece um assunto muito em moda. Ela já foi chamada de o problema mental mais comum do mundo. Ela afeta pessoas de qualquer lugar, tempo, idade, sexo, condição social, etc.
Estava lendo um livro que citava estatísticas que afirmavam que uma em cada seis pessoas não tem um único amigo com quem conversar sobre seus problemas particulares e cerca de 40% das pessoas se consideram tímidas e isoladas.
Apesar de ser comum no mundo inteiro, parece que no tipo de vida social que levamos em nossa sociedade facilita o surgimento da solidão.
Mas o que seria solidão? É a dor de percebermos que não temos ninguém, nenhum contato de amizade mais próximo, que nos permita nos relacionarmos com outras pessoas. Podemos viver em meio a muitas pessoas, mas mesmo assim não encontrarmos ninguém com quem podemos realmente abrir nosso coração, e conversar sobre os problemas que enfrentamos.
O pior é que perceber isso não é suficiente para nos fazer mudar de vida, pois a maioria das pessoas até mesmo tentou se enturmar com amigos do trabalho, da universidade, da igreja, mas não encontrou boa aceitação. Aí, a tentativa, que deveria servir para aliviar o sofrimento, acabou se tornando mais uma razão para fortalecer ainda mais esse sentimento de que não é amado por ninguém.
E aí, essas pessoas, quando percebem isso, começam a colocar todas as expectativas em um relacionamento, esperando que se tiver alguém, com certeza preencherão esse vazio que estão sentindo dentro do coração. Aceitam se relacionar com qualquer pessoa, e muitas vezes escolhem errado, o que as torna ainda mais desanimadas e solitárias.
Há pessoas que são casadas, vivem com cônjuge e filhos, e mesmo assim se sentem solitárias. Isso porque mesmo estando casados, não se sentem compreendidos pelas pessoas com quem dividem a vida.
Muitas pessoas, querendo fugir disso, tentam encontrar refúgio em bares, igrejas, saídas com colegas de trabalho. Mas, se não estiver bem resolvido dentro de si mesmo essa questão de se sentir solitário, de não conseguir se relacionar com as pessoas, mesmo saindo com elas, mesmo passando tempo ao lado delas, ainda assim não se sentirão preenchidos ou compreendidos.
E a razão é que a solidão não é uma questão de estar rodeado ou não por pessoas. É uma questão interna, que está dentro do coração das pessoas. Aonde quer que elas forem, a solidão vai junto.
E junto com esse quadro de solidão, aparecem também os sentimentos de baixa autoestima, com a ideia de que ninguém vai gostar de si porque não é uma pessoa amável, ou porque não tem essa ou aquela características; quadros de depressão leve, pois as pessoas não conseguem lidar com o vazio interior que possuem; apresentam comportamentos para chamar a atenção, como se fosse um grito de socorro, para que alguém as perceba (essa característica é muito comum em adolescentes e crianças); abuso de álcool e drogas, outra tentativa de preencher o vazio que possuem; atos de violência, na tentativa de aliviar o sofrimento dentro de si, e chamar a atenção; e problemas físicos, pois a solidão provoca um aumento significativo do estresse, o que gera doenças cardiovasculares e hipertensão, além de afetar o sistema imunológico e reduzir a resistência às doenças.
Ou seja, existem muitos quadros que parecem doenças, mas que podem ter a causa relacionada à solidão.
Mas será que a solidão é sempre causada pela mesma coisa, do mesmo jeito? Não. Em geral, há dois tipos de solidão: uma é transitória e circunstancial, e a outra é crônica ou duradoura.
No primeiro tipo, há a presença da solidão por causa de algum evento como a mudança de moradia, de escola, de trabalho, de igreja, etc.; separação temporária da família, por motivo de viagem ou outra razão; briga, desentendimento, raiva, divórcio ou morte; formatura, sair de casa para ir trabalhar em outro lugar, etc.
E há o segundo tipo, que geralmente é consequência da timidez e da baixa autoestima de uma pessoa. Nesse caso, ele tem uma autocensura exagerada, é muito exigente quanto a si mesmo, não permite que as pessoas fiquem muito próximas de si, ou então possui comportamentos insensíveis, que faz com que as outras pessoas se afastem dele/dela.
CAUSAS DA SOLIDÃO
Quanto a causas, podemos dividi-las em cinco conjuntos em geral: causas sociais, de desenvolvimento, psicológicas, circunstanciais e espirituais.
No grupo das causas sociais, encontram-se as pessoas que se sentem solitárias em razão de mudanças de vida, ou de dificuldades na vida social. É o caso de alguém que precisa mudar de emprego, e ao chegar no novo lugar, não conhece ninguém. Além disso, parece que o tempo em que estamos vivendo é mais propício a provocar solidão na vida das pessoas. As razões podem ser a presença da televisão, que faz com que paremos de conversar; a necessidade de mudarmos em busca de novas oportunidades de emprego; o fato de vivermos cada vez mais isolados em nossas casas com medo da violência e das dificuldades que o mundo nos apresenta; e a tecnologia, que faz com que pessoas tenham mais de mil amigos em redes sociais, só que nenhum quando precisam de um ombro para chorar, ou de ouvidos para desabafar.
Há também as causas relacionadas ao processo de desenvolvimento. Nesses casos, pessoas que cresceram em lares inseguros, sem a confiança necessária das pessoas que cuidavam delas, ou então que sempre foram obrigadas a lutar por si mesmas, sem muita demonstração de amor e afeto, tudo isso as torna mais dependentes de si mesmas, e com dificuldades de abrir o coração e partilhar sua vida com os outros. Pessoas assim têm dificuldades mesmo de se relacionar com as outras, pois não estão acostumadas a confiar nem mesmo naqueles que vivem mais próximos.
Há causas psicológicas, que são as diferentes percepções que uma pessoa tem com respeito às situações que precisa vivenciar. Por exemplo, uma pessoa que está em casa no sábado à noite, seria uma pessoa solitária ou não? Depende. Para alguns, esse período é ótimo para descansar, para ficar tranquilo. Para outras pessoas, representa a falta de alguém para fazer alguma coisa, e pode implicar em um sentimento de vazio muito grande. Em geral, quando essas pessoas se sentem sós por causas psicológicas elas possuem características de comportamento como baixa autoestima, dificuldade de comunicação, pensamentos de derrota, medo, ressentimento, etc.
Há também causas circunstâncias, que acontecem quando as pessoas passam por situações específicas nas quais se encontram. Por exemplo, lembro que trabalhei em uma universidade que tinha um grande número de jovens morando com os amigos, longe da casa dos pais. Eles vinham de todas as partes do Brasil, e tinham que dividir apartamentos ou casas com outras pessoas. Apesar de morarem juntos, muitos deles se sentiam solitários, pois não se sentiam compreendidos por seus colegas. Esse tipo de solidão acontece por conta das circunstâncias vividas temporariamente.
E uma última causa que podemos citar são causas espirituais. Eclesiastes 3:11 diz que Deus colocou no coração do homem um anseio pela eternidade. Por essa razão, podemos entender que há no coração um espaço, um vazio que só é preenchido pela eternidade, ou por um Deus eterno. Assim, muitas pessoas sentem um vazio em seu coração, que não entendem a razão, mas que existem. Há um vazio espiritual no coração dos seres humanos, e só será preenchido por Deus.

Que Deus lhe abençoe,
Osmar Reis Junior
Psicólogo do CEAFA
Direitos autorais: HTTP://blog.ceafa.com.br

Postagens de Destaque