sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Justiça por Cristo,

Justiça por Cristo, 9 de Janeiro

Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que, nEle, fôssemos feitos justiça de Deus. 2 Coríntios 5:21.

O Deus de justiça não poupou Seu Filho. ... Toda a dívida contraída com a transgressão da lei de Deus foi requerida de nosso Mediador. Exigiu-se uma expiação completa. Quão apropriadas são
as palavras de Isaías: “Ao Senhor agradou o moê-Lo, fazendo-O enfermar.” Isaías 53:10. Sua alma foi feita “uma oferta pelo pecado”. 2 Crônicas 29:24. “Ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades.” Isaías 53:5.
Jesus sofreu a extrema penalidade da lei por causa de nossas transgressões, e a justiça foi satisfeita plenamente. A lei não foi anulada; não perdeu nem um jota nem um til de sua força. Ao
contrário, ela se apresenta em santa dignidade, e a morte de Cristo na cruz testifica de sua imutabilidade. Suas demandas se satisfizeram, manteve-se-lhe a autoridade. Deus não poupou Seu Filho unigênito.
Para mostrar a profundeza de Seu amor para com o homem, Ele O entregou por todos nós. “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” João 1:29. Ei-Lo a expirar na cruz. Ei-Lo, a Ele que
era igual a Deus, desprezado e escarnecido pela turba. Ei-Lo no [11] Getsêmani, prostrado ao peso dos pecados de todo o mundo.
Porventura foi perdoada a penalidade, por ser Ele Filho de Deus? Foi afastada a taça da ira, dAquele que por nós foi feito pecado? Sem atenuação a pena recaiu sobre nosso Substituto divino-humano. Ouvi o Seu brado: “Deus Meu, Deus Meu, por que Me desamparaste?” Marcos 15:34. Ele foi tratado como pecador, para que nós pudéssemos ser tratados como justos, a fim de que Deus fosse justo,
e todavia justificador do pecador. ...
O amor existente entre o Pai e Seu Filho não pode ser descrito. É imensurável. Em Cristo, Deus viu a formosura e perfeição da excelência que habita, nEle mesmo. Maravilhai-vos, ó Céus, e assombra-te, ó Terra, pois Deus não poupou Seu próprio Filho, mas Justiça por Cristo, entregou-O para ser feito pecado em nosso lugar, para que os que crêem possam tornar-se a justiça de Deus nEle. ...
É demasiado imperfeita a linguagem para tentarmos a descrição do amor de Deus. Cremos nele, nele nos regozijamos, mas não o podemos compreender. — Manuscrito 31, 1911.

Ellen White
Nos Lugares Celestiais - MM 1967 pag. 32

Postagens de Destaque